De acordo com pesquisa, 38% dos Pais não se sentem representados na publicidade

Em um dia de verão, as datas comemorativas são como um copo de água gelado para a #publicidade. Agências de todos os cantos do mundo criam campanhas inusitadas e criativas. Entretanto, nos últimos anos, a publicidade parece afastar-se da realidade vivenciada nos novos moldes de #Pai.

Apesar dos principais estereótipos sobre Pais continuarem sendo realidade em muitas famílias, há uma mudança constante nesses estigmas. Com diversos movimentos com teor ideológico que nos motivam a refletir sobre os posicionamentos sociais, como o feminismo e o movimento LGBTQ+, está cada vez mais aparente a ruptura dos estereótipos referenciados na publicidade. Foi-se o tempo em que a figura materna permanecia em casa cuidando dos filhos e da casa, enquanto a representação paterna trabalhava para manter a família estável financeiramente.

Pais, cada vez mais, participam da educação e dos afazeres do lar, tanto quanto mães ou até mais, e apesar de algumas exceções, a publicidade ainda os personificam de acordo com antigos moldes. De acordo com uma pesquisa de comportamento de consumo do Google, 38% dos pais dizem não se identificar com a imagem projetada pela publicidade nas campanhas referentes ao Dia dos Pais.

A pesquisa aponta que, pai perfeito (41%), pai com papel coadjuvante (32%) e pais muito rígidos e autoritários (30%), são as características apresentadas na propaganda que menos os representa.

Como as diversas mudanças que nos rodeiam e norteiam, a publicidade deve refletir sobre elas e, posteriormente, as projetarem em suas respectivas campanhas. Let´s change.