Consumo de mídia e internet desacelera no Brasil

Nielsen e Toluna apontam recuo no tempo de navegação nas redes sociais e consumo de TV em relação ao início do período da pandemia

Um dos efeitos já conhecidos da pandemia da Covid-19 no ano passado foi o aumento do consumo de mídia. Com a obrigatoriedade de ficar mais tempo em casa – e a necessidade de se informar acerca da ameaça do coronavírus – as pessoas dedicaram mais tempo ao consumo de conteúdo de TV, internet e plataformas digitais. Pesquisas realizadas pelos maiores institutos ao longo de 2020 apontaram esse crescimento das audiências, algo que acabou, de certa forma, beneficiando os veículos de comunicação nos meses mais rígidos de restrição à circulação.

Embora o atual cenário não esteja tão diferente do registrado há um ano atrás, a relação dos consumidores com o conteúdo tem mudado em relação aos meses anteriores da pandemia. Para entender essas transformações, a Nielsen, em parceria com a Toluna, realizou em janeiro uma nova rodada de pesquisa com 1127 consumidores, de todo o País para mapear seus hábitos de consumo de internet, entretenimento, vídeos e uso de tecnologia, de forma geral.

Chamado de Digital Consumer Study, o mapeamento teve uma primeira onda em junho de 2020, quando a ideia era mensuras o impacto inicial da Covid-19 na rotina das pessoas. Agora, os resultados que acabam de ser revelados pelos institutos de pesquisa apontam uma redução do consumo de redes sociais, desgaste de alguns formatos (como as lives), alta do streaming na rotina cotidiana e o crescimento da utilização de desktops para acessar a internet, como reflexo do trabalho remoto.

“O que observamos, de maneira geral, é que após aquela forte alta do consumo de conteúdo e de internet, observada nos primeiros meses de pandemia, voltou aos patamares normais posteriormente”, analisa Stephanie Castus, responsável pela pesquisa Digital Consumer Study na Nielsen. Em junho de 2020, na primeira onda do estudo, 67% dos entrevistados afirmaram que tinham aumentado o tempo dedicado à navergar nas redes sociais. Na edição mais recente, esse percentual recuou para 56%. Ao mesmo tempo, 12% afirmaram que, na verdade, diminuíram o tempo passado nas redes sociais (eram 8% no primeiro levantamento).

Outra diminuição observada foi em relação ao tempo utilizado para assistir a filmes, vídeos ou programas de TV. Em meados de 2020, entre os respondentes, 75% afirmaram que estavam dedicando mais tempo a essas atividades. Já no início de 2021, o percentual recuou para 65%.

A Nielsen e a Toluna destacam, no entanto, que o interesse por conteúdo de streaming deve permanecer mesmo após esse período atípico. Segundo o estudo, o consumo nesses meios já passa o da TV aberta em termos de horas. O YouTube lidera entre os canais de streaming mais utilizados, sendo citado por 86% dos entrevistados. Na sequência, aparece a Netflix, consumida por 77% das pessoas. O Prime Video, da Amazon, fica na terceira posição na lista dos streamings, citado por 42% dos entrevistados.

Na interpretação de Stephanie, da Nielsen, o streaming tende a manter o interesse das pessoas por mais tempo pelo próprio formato dos conteúdos oferecidos por essas plataformas. “As séries e conteúdos dessas plataformas são produzidas para garantir um maior tempo de consumo por parte da audiência, que já criou o hábito de maratonar e assistir às produções continuamente”, diz. Essa lógica também serve para explicar, em sua visão, o arrefecimento do interesse pelas lives, que ganharam as redes sociais e também a mídia tradicional no primeiro semestre do ano passado, mas que foram perdendo espaço nos meses seguintes. “As lives funcionaram como um formato de entretenimento passageiro e não foram capazes de engajar as pessoas a longo prazo. É um tipo de conteúdo voltado ao consumo momentâneo”, pontua.

Se o tempo dedicado ao entretenimento vem diminuindo, em contrapartida, é notável a maior dedicação dos entrevistados ao trabalho: 18% dos respondentes afirmaram passar mais de 15 horas trabalhando, enquanto 23% declarou que trabalha, diariamente, de 10 a 15 horas. Essa rotina impulsionou o uso do desktop no acesso à internet. O device, agora, ficou em segundo lugar como a tela preferida para assistir a filmes e vídeos, perdendo apenas para o smartphone.

Fonte: M&M
Por: Bárbara Sacchitiello
Foto: (Crédito: Carstens Peters/Unsplash)

Ação de Havaianas conecta personagens de Netflix à vida real

Campanha terá produtos licenciados e filme que conta histórias de garra e persistência feminina durante o mês da mulher.

Em sua nova mais nova campanha, em parceria com a Netflix, a Havaianas vai contar as histórias de quatro mulheres da vida real que, inspiradas por personagens do universo do streaming, transformaram suas relações consigo mesmas.

Ação de Havaianas conecta personagens de Netflix à vida real Havaianas

Intitulado #EscuteMinhaVoz, o movimento retrata como as trajetórias de personagens como Eleven (Stranger Things), Maeve (Sex Education), Yennefer (The Witch) e Nairobi (La Casa de Papel) conseguiram motivar Sun Cordeiro, Joyce Carolina, Carolinne Assis e Ariane Anselmo.

Além de homenagear as mulheres, o filme também promove a nova coleção da collab entre Havaianas e Netflix, que pode ser encontrada no Brasil, em toda a América Latina, nos Estados Unidos, na Europa e na Índia, tanto nas lojas físicas quanto na digital flagship store da marca.

“Nosso objetivo ao lançar esse movimento é ampliar a voz dessas mulheres tão potentes e fazer o convite para que outras mulheres façam o mesmo”, afirma Maria Fernanda Albuquerque, diretora de comunicação global de Havaianas. A criação é da agência Playground.

O filme da Campanha você confere aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=2KchK_PztnA

Fonte: Meio e Mensagem

Nestlé quer fazer Páscoa caber no bolso do consumidor

Estratégia da empresa para 2021 foca logística e distribuição, flexibilidade de preços e oferta, assim como as marcas Baton, Alpino, Talento e KitKat

Nestlé quer fazer Páscoa caber no bolso do consumidor Blog_Nestle

Fabricantes de chocolate têm novamente um desafio para a Páscoa deste ano. Embora o produto entre na categoria alimentar, cujo varejo em geral não sofreu restrições – por ser concentrado em supermercados, hipermercados e atacarejos – os ovos de Páscoa, colombas e outros itens em destaque no período costumam ser itens presenteáveis nessa data do varejo e a limitação de contato físico entre as pessoas após a pandemia continua sendo uma questão.

Amanda Freitas, gerente de marketing Nestlé, recorda que ano passado a indústria foi pega de surpresa quando já estava com os ovos expostos nas lojas físicas e o plano de e-commerce existia, mas era pequeno e lá mesmo já teve de haver uma virada de chave e o crescimento das vendas online foi grande. Uma vez que o planejamento de portfólio e ações para a data todo ano demora em média 12 meses, isso significa que ao acabar uma, ela e sua equipe já estavam pensando e tomando decisões para 2021.

Elevar o investimento no e-commerce foi uma dessas decisões. “Sempre pensamos muito em inovação, sabores diferentes, e este ano foi ‘como levar nossas principais marcas ao consumidor, não deixar os itens faltarem, sabendo que ele ainda não deve presentear, pois não haverá muitos encontros”, conta a executiva.

Com isso, o pensamento inovador ficou mais direcionado em distribuição e logística, assim como na construção de um portfólio com flexibilidade de preços, em que são destaques os ovos Baton, Alpino, Talento e KitKat. Entre as novidades em produto, Baton tem opções ao leite, branco e um com formulação zero lactose para a linha infantil, atendendo a uma demanda de pais com filho intolerantes à lactose. A linha infantil, da qual fazem parte também os chocolates Surpresa – ao Leite e Unicórnio com chocolate branco e confeitos coloridos na casca – e Buttons exploram games interativos por meio de um QR Code em suas embalagens.

O portfólio vai de itens pré-Pascoa, de impulso, como coelhinhos e mini ovos de chocolate, que vão de R$ 2,99 a R$ 14,99 até chegar aos ovos, com variação de R$ 32,90 a R$ 46,90. “Oferecemos opções diferentes de desembolsos, para todo mundo conseguir ter um item, de acordo com sua necessidade”, pondera Amanda.

Enquanto a categoria chocolates, com as marcas Nestlé e Garoto, já começou a ser trabalhada em tv, o digital, focado em performance e em ovos de Páscoa em si, ganhará volume a partir da segunda e terceira semanas de março, quando os consumidores já estarão, segundo Amanda, já no “mood” da data. Como a Páscoa este ano será dia 4 de abril, o maior investimento será na última semana de março, inclusive no PDV. “O e-commerce cresceu muito, mas ainda não está igual ao varejo físico”, argumenta a gerente de marketing.

Hábitos da pandemia

Além disso, a pandemia representou uma mudança importante de comportamento dos consumidores envolvendo a categoria: a compra de chocolate, antes uma indulgência mais impulsiva, acabou entrando mais nas compras planejadas.

Segundo pesquisa feita pelo C. Lab (laboratório interno de pesquisas da Nestlé), 51% das pessoas aumentaram as compras de chocolates nos últimos meses, tanto pela busca de sabor e conforto emocional quanto pela tendência de lanches intermediários. Antes, o consumo fora do lar representava até 70% e 30% diziam respeito à compra planejada (para compartilhar e presentear), agora, os números se inverteram: 70% é de compra planejada e consumo no lar. Esse crescimento foi acelerado pelo online e entrega expressa.

Além disso, comenta Amanda, o preparo de alimentos dentro do lar e a cozinha para alguns virando hobby durante a quarentena – sendo que 53% pretendem continuar cozinhando mesmo após o fim da pandemia -, também elevou o consumo de chocolate.

Com tudo isso, os investimentos que cresceram no digital, estão sendo mantidos nos PDVs, com aumento de cuidados em relação a colaboradores próprios e terceiros na higienização e protocolos contra o coronavírus. Para a Páscoa 2021, foram contratados 370 colaboradores terceiros. Sem citar números, Amanda Freitas, afirma que a Nestlé tem “grandes expectativas para 2021”, uma vez que a companhia já está mais preparada e adaptada ao cenário.

 

Fonte: Meio & Mensagem