Os fatos mais importantes da Comunicação em 2020

Cortes e reestruturações gerados pela crise e o engajamento de grandes holdings com a proposta de inclusão racial são algumas das movimentações marcantes do ano

Em um ano marcado pela crise da Covid-19 – e pelos seus devastadores e transformadores efeitos que acometeram todo o planeta – Meio & Mensagem reúne os eventos e movimentos mais importantes de um 2020 que obrigou a indústria da Comunicação, assim como os demais segmentos econômicos, a revisitar seus propósitos de atuação, estilo de trabalho e a modificar estratégias para manter-se ativa.

Confira abaixo os assuntos de Comunicação que foram destaque nas plataformas de conteúdo de Meio & Mensagem ao longo do ano. A lista foi definida pela redação, sob critérios editoriais:

Crise gera cortes e reestruturações
A crise econômica provocada pela Covid-19 obrigou os maiores grupos de comunicação a adotarem medidas de redução de gastos. Omnicom, IPG e DAN foram mais enfáticos em relação a redução nas equipes. O WPP suspendeu contratações, adiou o aumento de salários previstos para este ano e algumas de suas agências optaram pelo afastamento de funcionários. A alta cúpula de algumas holdings, como Arthur Sadoun, chairman e CEO do Publicis Groupe, John Wren, CEO e chairman do Omnicom, Mark Read, CEO do WPP, e Michael Roth, chairman do IPG, anunciaram a redução temporária de seus salários, medida que se estendeu ao board das companhias. A crise que atingiu as holdings em 2020 foi mais um golpe em um cenário que já era bastante desafiador: de acordo com o Agency Report, 2019 foi o ano mais fraco para o crescimento das agências nos Estados Unidos desde a Grande Recessão. A Forrester Research, por sua vez, estima que as agências terão cortado 35 mil postos de trabalhos no país até o final de 2020 e que, globalmente, as holdings terão demitido 49 mil funcionários.

WPP intensifica plano de consolidação
O ano foi marcado por consolidações significativas, globais e locais, no WPP. Os movimentos seguem o plano traçado por Mark Read, desde que assumiu o comando da companhia como CEO, há dois anos. No Brasil, a holding anunciou a fusão entre Y&R e VML. Os dois escritórios nacionais eram os únicos da rede global que ainda não operavam unidos. Fernando Taralli, CEO da VML, assumiu o posto de chefe executivo da VMLY&R São Paulo. Já David Laloum deixou a função de CEO da Y&R e passou a atuar como CSO e sócio da empresa de inovação Distrito. Marcos Quintela assumiu o cargo de chairman do grupo, que também inclui a Mutato e a VML Rio, cujas atividades seguem independentes. Globalmente, o WPP anunciou a união entre AKQA e Grey, que posicionou Ajaz Ahmed, fundador da AKQA, como CEO do Grupo AKQA. Outra mudança foi a incorporação da Geometry, especializada em varejo e e-commerce, pelo grupo VMLY&R, originando a VMLY&R Commerce. Fora do WPP, a Dentsu fundiu duas de suas principais marcas, a Dentsu e a McGarryBowen, dando origem à Dentsumcgarrybowen.

Anunciantes e agências flexibilizam relações
Parcerias duradouras entre marcas e suas respectivas agências continuarão a existir mesmo sob o passo mais rápido da transformação do mercado. No entanto, as relações que ultrapassam décadas passam a conviver com formatos alternativos de parceria, a depender do objetivo do anunciante. Ao longo do ano, agências reconhecidas por relacionamentos longevos com seus clientes criaram trabalhos isolados para marcas, como FCB Brasil, que criou um filme para RaiaDrogasil, AlmapBBDO, que fez um projeto para Rappi, e Africa, que fez campanhas para AB InBev e Fila. Uma pesquisa da agência Heart realizada em parceria com a Bistrô Estratégia ouviu 30 heads de marketing de empresas como Pepsico e Alpargatas para saber os rumos das relações com agências. De acordo com o levantamento, 50% dos clientes que possuem contrato de fee pretendem mudar o modelo de remuneração com o fim da pandemia. Já a Scopen ouviu 51 profissionais responsáveis pelo marketing ou compra de mídia e, para 86%, as relações entre marcas e agências tornou-se mais empática, próxima e flexível com a Covid-19.

Festivais cancelados, conteúdos online
Pela primeira vez em sua história, o Festival Internacional de Criatividade de Cannes foi cancelado. A 67ª edição da principal premiação da indústria foi oficialmente adiada para 2021 dias depois de holdings como WPP e Omnicom terem anunciado que não participariam do festival em 2020. Em junho, na semana que ocorreria o evento, a organização fez o streaming do Cannes Live, que contou com debates, keynotes, homenagens, como a de Agência Global da Década, entregue à AlmapBBDO, e o Leão de São Marcos, concedido à Mary Wells Lawrence. O Wave, festival realizado por Meio & Mensagem para reconhecer a criatividade latina, teve as edições de 2020 e 2021 canceladas. Outros dois eventos que mobilizam boa parte da indústria de comunicação haviam sido cancelados meses antes: o Mobile World Congress, realizado em Barcelona, e o South by Southwest (SXSW), que ocorreria em Austin. Outras premiações de criatividade, como The One Show e D&AD, cancelaram as programações presenciais, mas mantiveram as premiações, realizadas online.

Holdings anunciam metas para mudar quadro racial
Os protestos antirracistas que percorreram ruas de diversas regiões dos EUA chegaram às portas das agências de publicidade. Em junho, um coletivo formado por 600 pessoas negras divulgou carta aberta às holdings de comunicação. O documento listou 12 medidas que os grupos e suas agências deveriam adotar para aumentar a presença negra nas equipes, coibir o racismo no ambiente do trabalho e melhorar a qualidade dos projetos veiculados por meio da diversidade de profissionais. IPG e Dentsu enviaram comunicados internos revelando estatísticas étnico-raciais. O WPP se comprometeu aos 12 compromissos emitidos pela carta Call For Change. Entre as medidas, investirá US$ 10 milhões ao longo de três anos para apoiar entidades antirracismo e programas de inclusão. Iniciativas independentes como o projeto Hiretone, criado pela dupla Victor Emeka e Zé Celso Oliveira, trouxeram o debate do racismo nas agências à tona: a iniciativa catalogou as contratações feitas por agências em 2020 e mostra, por meio de uma paleta de cores, que o mercado precisa agilizar ações para mudar a desigualdade racial.

Reconfiguração no grupo ABC
O ano de 2020 começou com o anúncio do afastamento de Guga Valente e Nizan Guanaes das funções executivas do Grupo ABC, fundado por ambos em 2002. O cargo de CEO, até então exercido por Guga, foi assumido por Cristiano Muniz, que já havia trabalhado como COO e CFO da empresa. A consultoria NIdeias, comandada por Nizan desde 2018, passou a atuar de maneira independente, mas respeitando a cláusula de non compete, que impede a operação de prestar serviços que conflitem com os oferecidos pelo ABC. Tanto ele quanto Guga, que respondeu como CEO do grupo desde sua fundação, atuarão como conselheiros da holding até 2021. A saída da dupla antecipou a renovação de contrato do Omnicom, que controla o ABC, com os copresidentes da Africa, Marcio Santoro e Sergio Gordilho, para mais um ciclo de ambos à frente da agência. Em março, a holding encerrou as atividades de uma de suas marcas, a Tribal, e transferiu as contas para a SunsetDDB. Outra mudança no portfólio do ABC foram os 30% de participação da Pereira & O’Dell, comprados pela alemã Serviceplan Group, em outubro.

Mais simbiose entre consultoria, tecnologia e comunicação 
A compra da holding Haus pelo Grupo Stefanini é um dos movimentos que evidencia a simbiose entre consultorias, agências e empresas de tecnologia. A Haus, que tem como maior empresa a agência W3Haus, espera alavancar o pensamento estratégico apoiado por dados, inteligência artificial e analytics, já que a multinacional brasileira Stefanini trabalha em soluções de negócios baseadas em tecnologia. Do outro lado, Marco Stefanini, CEO da companhia, pretende estender o leque de ofertas em marketing para compreender mais a fundo o consumidor e, assim, desenhar estratégias de negócio mais assertivas. A aquisição segue algumas outras, como as da Accenture Interactive, que em 2015 comprou a AD Dialeto e em 2018 adquiriu a New Content. Eduardo Bicudo trocou o posto de CEO da Accenture Interactive América Latina pelo de CEO do Dentsu Aegis Network no Brasil. De acordo com ele, a aquisição da consultoria Cosin pelo DAN em 2016 contribuiu para a disseminação da cultura de consultoria entre as agências do grupo.

A ascensão da cocriação
Agências, veículos e marcas deram mais valor à cocriação para estabelecer conexões mais genuínas com a audiência. A Globo, ao modificar seu departamento comercial e transformar o merchandising da novela A Dona do Pedaço, alçou as oportunidades de cocriação a outros patamares. A emissora realizou projetos multiplataforma criados com agências e anunciantes, como os esforços de conteúdo de TIM para a Black Friday, conduzidos com a agência HavasPlus. Já a Ogilvy, para promover o pack dual de Fanta e Coca-Cola, arquitetou com o canal um plano que envolveu uma das atrações globais mais populares, A Grande Família. E a FCB fez com a Globo o case “Reforma Certa”, para Leroy Merlin. O rechaço do consumidor à interrupção fez com que as três frentes buscassem soluções para reter a atenção das pessoas, criar relevância e gerar vendas. A cocriação se estende de outros campos: varejistas como Amaro e C&A investiram em coleções de roupas feitas em parceria com clientes. O Boticário, por sua vez, promoveu um reality show digital, criado pela W3Haus, cujo vencedor criará um produto para a marca.

Concorrentes se unem em campanhas
A crise da Covid-19 desencadeou uma série de necessidades: serviços mais rápidos e convenientes, produtos mais acessíveis, programas de financiamento e apoio a causas de naturezas diversas. Com isso, concorrentes dos segmentos financeiro e de telecomunicações se uniram em ações conjuntas inéditas. No final de março, Claro, Vivo, Tim e Oi veicularam campanha, criada em conjunto pelas respectivas agências: Talent Marcel, Africa, HavasPlus e NBS, divulgando pacotes especiais com TV e bônus de internet. A Tim, aliás, fez parceria com a fintech C6 Bank para oferecer serviços financeiros e de telecomunicações conjuntos. O acordo também previu a compra de parte do capital do banco pela Tim Futuro. No mesmo mês, Bradesco, Itaú e Santander lançaram filme na TV para promover a inciativa de financiamento da folha de pagamento de pequenas e médias empresas que faturam até R$ 10 milhões. No final de agosto, os três bancos anunciaram os sete integrantes do Conselho Consultivo Amazônia, elaborado para apoiar dez medidas para impulsionar o desenvolvimento sustentável da região.

Restrições dão origem a novas dinâmicas criativas 
Em março, a Spcine, empresa municipal de fomento ao audiovisual em São Paulo, suspendeu os alvarás para filmagens em equipamentos e espaços públicos da cidade. Diante disso, produtoras e agências tiveram de buscar alternativas para seguir com a produção de campanhas de forma remota. O cancelamento abrupto de diversos filmes publicitários não se deu somente por fatores sanitários, mas também pela obrigatória mudança de narrativa na comunicação das marcas com a imposição da quarentena. Bancos de imagens, filmagens na casa dos próprios diretores de cena, animações 2D e 3D e câmera de smartphones foram alguns dos recursos recorrentes. Com a adaptação das equipes ao esquema de criação e produção remota, o craft de filmes criados em condições caseiras se sofisticou – a utilização de telas de celulares e imagens de videoconferência rapidamente ficaram saturadas – assim como o storytelling, que precisou encontrar inúmeras narrativas para abordar o distanciamento social e outros temas pertinentes à realidade vivenciada pela sociedade durante a quarentena.

Por: Meio & Mensagem
(Crédito: Arte/Meio & Mensagem)

7 milhões de pessoas atingidas e 2 toneladas de ração doadas: a campanha de marketing que viralizou nas redes sociais

“Cada vez que o dog for compartilhado, 1 kg de ração será doado”. Quem usou as redes sociais, principalmente o Instagram e o Facebook, neste final de semana provavelmente se deparou com esta frase seguida da imagem de um (fofo) labrador. A publicação é fruto de uma campanha de marketing que viralizou e atingiu 7 milhões de pessoas em apenas dois dias, gerando uma doação de 2 toneladas de ração no total. A campanha foi criada pelo escritório  Moresco Contabilidade, de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, às 10h do último sábado, 12 de dezembro. A meta era doar, no máximo, 2 toneladas, mas em menos de duas horas, metade disso já havia sido batido. “Ficamos apavorados e felizes”, conta Morgana Moresco, 33, diretora do escritório, com exclusividade a PEGN.

A executiva conta que a ideia da campanha surgiu ainda em 2012, fruto de uma história curiosa. Ela, que já trabalhava no escritório fundado por sua família, conta que dificilmente gostava dos presentes que ganhava de aniversário. “Ou trocava, ou não usava”, diz. A solução? Pedir 1 kg de ração para os seus cachorrinhos. A brincadeira foi crescendo e os colegas do escritório começaram a dar o valor em dinheiro, ao invés de carregar um saco de ração no seu aniversário. Daí surgiu a ideia de transformar a brincadeira pessoal em uma ação social do escritório.

Em 2015, fizeram um planejamento estratégico com uma agência de marketing e lançaram a campanha no mesmo formato, só que no Facebook. A cada compartilhamento, 1 kg de ração doado. No primeiro ano, foram 400 kg, no segundo, 700 kg, e em 2017, 1,5 tonelada. Em 2019, no entanto, Moresco se decepcionou: apenas 380 kg. Aí surgiu o plano de fazer em 2020 uma ação mais consistente, com um novo parceiro de marketing. “A agência sugeriu fazermos no Instagram também, porque nosso escritório ainda não tinha uma conta lá”, afirma. Para viabilizar, firmaram uma parceria com a ONG Sítio da Vovó, que abriga mais de 600 cachorros abandonados, em Arroio dos Ratos, no interior do Rio Grande do Sul. Quando a campanha viralizou em menos de duas horas, a executiva conta que ficou tensa. “Começamos a ficar apavorados. Passamos o sábado inteiro no WhatsApp acompanhando e tivemos uma reunião de duas horas no domingo para pensar em tudo”, diz. A solução foi limitar a doação a 2 toneladas, meta original. Mas para não pausar aí, Moresco também decidiu fazer uma parceria com a agência para oferecer ao Sítio da Vovó uma “consultoria de marketing”. Juntas, vão criar redes sociais para a ONG e organizar novas campanhas.

Ela também conta que ficou um pouco chateada com parte da repercussão na internet. “Muita gente desacreditando da campanha. Sou muito amante da causa, confesso que tive até dificuldade para dormir. Mas depois refleti e fiquei feliz, porque também teve muita gente apoiando.”

A entrega ainda está sendo planejada, mas deve acontecer no próximo sábado, dia 19. “Estamos ansiosos para brincar com os cachorros”, diz.

Fonte: Pequenas Empresas e Grandes Negócios

O ex-entregador de jornais e piloto que fundou uma rede de espetinhos milionária

Aos 13 anos, Leandro Souza conhecia muito bem as ruas do bairro do Recreio, no Rio de Janeiro. Com sua bicicleta, percorria o bairro de ponta a ponta para entregar jornais nos quintais e terraços cariocas. Foi ali que aprendeu, pela primeira vez, a valorizar o próprio dinheiro e esforço. Ainda novo, ele sabia que era apenas através do estudo e do trabalho que conseguiria tudo que almejava para sua vida. “Minha mãe trabalhava como empregada doméstica e meu pai como porteiro. Sou filho único e eles sempre se dedicaram ao máximo para incentivar minha educação”, relembra Souza, que hoje enxerga o impacto de sua criação no sucesso da rede Espetto Carioca, fundada em 2010.

Souza fundou o Espetto Carioca ainda em 2010, com mais dois sócios e R$ 300 mil de investimento inicial

O empreendedorismo, presente em sua rotina atual, não fazia parte de seu sonho juvenil. No entanto, as vivências que acumulou através dos anos em outros trabalhos foi essencial para seu papel como líder. Com 17 anos, começou a trabalhar como office boy em uma empresa que fazia distribuição de revistas. Em pouco tempo, evoluiu e chegou na equipe de marketing, o que fez com que começasse a cursar faculdade de comunicação social. Sua história parecia se encaminhar para esse setor, até outra oportunidade aparecer.

 

Fonte: Forbes Brasil

Campanha publicitária divulga “Bombinhas – a península mais bonita do Brasil”

Com o intuito de apresentar o município catarinense como península, sendo um dos locais espetaculares do país, a Associação Visite Bombinhas, em parceria com o Sebrae/SC, acaba de lançar a campanha publicitária com o slogan “Bombinhas – a península mais bonita do Brasil”.

A ação faz parte das novas estratégias de posicionamento digital para o turismo e será veiculada em toda a cidade, nos canais de internet e em ações promocionais, apresentando a qualidade dos serviços oferecidos por associados da entidade e as experiências imperdíveis para a temporada de verão.

Ação é assinada pela Associação Visite Bombinhas com apoio do Sebrae/SC

A campanha
Esta é a terceira etapa de um trabalho iniciado em setembro pela associação, que através da definição de estratégias de mercado, criou um novo conceito de comunicação, com site com informações específicas do município e novas redes sociais.

A divulgação conta com peças gráficas e publicitárias para estimular os visitantes a aproveitarem o que a cidade oferece de melhor. A ação tem como objetivo principal gerar melhores resultados para as empresas associadas não apenas na temporada de verão, mas durante todo o ano. A próxima etapa será a realização de um planejamento para estruturar as próximas ações de promoção do destino.

“Nossa cidade está entre os 10 destinos brasileiros que mais recebem turistas estrangeiros, muitas famílias, empresas e empregos, dependem da atividade turística. Por isso, queremos apresentar a cidade como península, um destino peculiar e atraente o ano inteiro. Se pararmos para pensar, vários dos principais destinos turísticos do mundo estão localizados em porções de terra, cercados por água, e nossa Bombinhas é um deles”, destaca o presidente da associação, Antônio Carlos Lopes.

Campanha publicitária divulga "Bombinhas - a península mais bonita do Brasil" sacola

Segundo o Gerente Regional do Sebrae da Foz, Alcides Sgrott Filho, o Sebrae/SC apoia projetos que desenvolvem a economia do município, fortalecendo os empreendedores locais. “Bombinhas é um dos destinos mais turísticos da nossa região e foi afetado fortemente pela crise da pandemia. Para que possamos impulsionar a economia dos empresários locais neste período difícil, nos juntamos a Associação Visite Bombinhas para apresentar a cidade como a mais bonita do Brasil, gerando visibilidade, emprego e riquezas para o município”, ressalta.

Campanha publicitária divulga "Bombinhas - a península mais bonita do Brasil" sacola

O lançamento da campanha aconteceu na última segunda-feira, 30 e contou com a participação de representantes do Sebrae, Secretário de Turismo de Bombinhas, SANTUR, Aeroporto de Florianópolis, Oceanic Aquarium de Balneário Camboriú e Hotéis, Pousadas, Restaurantes e Receptivos da Associação Visite Bombinhas.

Fonte: AcontecendoAqui

Luana Génot: “Marcas, se assumam como racistas”

Luana Génot, fundadora do ID_BR, defende que as empresas não fiquem no meio-termo quanto ao racismo e partam para a ação

Aurgência do combate ao racismo estrutural faz com que não haja mais tempo nem espaço para tabus ou omissões. De acordo com Luana Génot, fundadora e diretora-executiva do Instituto Identidades do Brasil (ID_BR), as empresas não podem mais ficar no meio-termo, devem assumir a responsabilidade e partir para a ação. Nos últimos meses, vários casos reforçam que o setor privado faz parte do problema, mas também pode atuar para ser a solução. Da morte de João Alberto no Carrefour na véspera do Dia da Consciência Negra, em novembro, à declaração considera racista da cofundadora do Nubank no programa Roda Viva, da TV Cultura, em outubro, ou as críticas recebidas pelo Magazine Luiza por lançar um programa de trainee para profissionais negros, em setembro. Tudo remete ao poder que as empresas exercem na sociedade, mas, sobretudo, pelo papel que desempenham quanto à pauta do racismo estrutural.

Luana Génot: “Marcas, se assumam como racistas” Luana_G

Meio & Mensagem – O que o caso recente da morte de João Alberto no Carrefour ilustra sobre a responsabilidade das empresas no combate ao racismo?
Luana Génot – As empresas não devem se esconder em seus relatórios de diversidade se colocando como diversas apenas porque entendem que possuem um número expressivo de profissionais negros em seus quadros. Isso faz com que elas relaxem quanto a essa pauta e esse é um assunto de constante alerta. Essa pauta não está resolvida, temos que fazer, com frequência, revisão de práticas para se desafiar e seguir avançando em relação à igualdade racial. Ainda sobre o caso Carrefour, existe outra questão de extrema urgência: não basta lidar com a questão somente na empresa tem que olhar para o ecossistema de fornecedores, inclusive suas empresas de segurança.

M&M – Como você avalia o discurso de Noel Prioux, CEO do Grupo Carrefour Brasil, no dia 21 de novembro, em rede nacional de televisão, após o caso?
Luana – No primeiro pronunciamento ficou nítido que faltam metas, números, prazos e investimentos. O discurso apenas para dizer que a empresa fica triste e se solidariza com a família do João Alberto é pouco. Agora com o investimento de 25 milhões anunciados para serem direcionados a pauta da igualdade racial, que sabemos que não trataram João Alberto de volta, sirvam pelo menos para marcarem uma nova fase de ações estruturadas pela pauta antirracista. Eu espero que, em futuros pronunciamentos e posicionamentos a empresa comprove ações efetivas e que possui planos para sua cadeia de valores. Para além dos 25 milhões e do prometido direcionamento de um dia de faturamento para essa pauta, precisamos ver no site aberto ao grande público um plano efetivo e seus resultados de curto, médio e longo prazo relativos à pauta antirracista.

M&M – Outro caso recente relacionado a racismo causou repercussão, após o pronunciamento da Cristina Junqueira, cofundadora do Nubank, o que essas situações ilustram sobre o desafio da diversidade estrutural no Brasil?
Luana – O caso do Nubank mostra outro ponto de atenção. Muitas vezes, a gente começa a acreditar que startups desconstruídas estão nascendo em um ambiente completamente diverso. Só que não. Qualquer empresa, seja uma centenária ou uma fintech, vive com os desafios do racismo estrutural. Seja um unicórnio ou um dinossauro. Quando vemos uma mulher branca, como a Cristina Junqueira, jovem e CEO, como é o caso de algumas empresas não só o Nubank a gente pensa, “nossa, ali existe tudo para ser um ambiente completamente desconstruído e inclusivo”. Pelo perfil da empresa, a gente acaba deixando de olhar com urgência sobre o tema antirracista que é uma via da inclusão que ainda tem sido negligenciada.

M&M – E sobre a maneira como o Nubank tratou o caso?
Luana – Muitas coisas, se não são resolvidas pelo amor, se resolvem pela dor. O mais importante é entender que, a partir da dor, e em um contexto em que as marcas estão sendo colocadas em praça pública, emitir nota com afirmações como “não era isso que eu queria dizer”, já não faz efeito. O Nubank nos ensina que é possível fazer de um caso de dor uma situação de construir algo em conjunto. A partir da dor é importante saber o que fazer. Investimento nítido, ações efetivas e um plano absolutamente transparente. Não adianta mais dizer que é pró-diversidade e não levar isso até as últimas consequências.

M&M – Em todos os casos acima temos aprendizados e desafios, qual a mensagem você teria a dar às empresas que ainda não se atentaram para a questão racial?
Luana – O primeiro passo é se assumir como racista. Eu diria, marcas, se assumam como racistas. Estamos todos em ambientes permeados pelo racismo estrutural. Varrer problemas estruturais para debaixo do tapete só tem acirrado as desigualdades que vivemos. Se antes, as empresas omitiam isso, elas precisam admitir que são racistas. E quanto mais rápido o fizerem, mais rápido poderão agir para combater esse mal. Apenas dizer não ao racismo não foi capaz de evitar que a gente reproduzisse o racismo estrutural. Essa virada de chave do “não sou racista para sou racista e preciso fazer algo para combatê-lo” é fundamental para quebrar esse ciclo.

M&M – A partir do momento em que uma empresa se assume como racista, como ir além do discurso?
Luana – Tem várias ferramentas que já ajudam as empresas a, a partir do momento que se assumirem como racistas, desenvolverem ações efetivas. Existem diagnósticos, Censo étnico-racial, meta de contratação, meta de promoção, treinamento de público interno, fornecedores, patrocínio de eventos que falem da temática, entre outras ações. Há uma série de ações que podem construir o combate ao racismo. Existe um outro tipo de discurso que é uma grande ilusão. Muita gente diz que a questão do combate ao racismo estrutural só deve ser orgânica, do coração, natural. Isso é um discurso muito incompleto. Não tem como só ser orgânico, ou algo que surja do coração, principalmente se você tem ambientes onde os negros não estão. Empatia também se constrói intencionalmente. As pessoas não possuem facilidade em falar das questões raciais. Ou seja, o fazer e a mudança envolvem uma intencionalidade. Preciso ter a intenção de falar da igualdade racial relativo a pessoas negras e indígenas.

M&M – Tomando as empresas que você auxiliou como exemplo, o que faz com que as políticas efetivas de combate ao racismo estrutural deem certo?
Luana – Dá certo quando o CEO toma a dor para si. É necessário ter um envolvimento da alta liderança. Dá errado quando o tema da diversidade é delegado para um terceiro ou até mesmo quando fica na mão de uma pessoa negra que não quer cuidar de algo ligado à questão racial, mas que foi escolhida por ser negra. Ou dá errado quando a empresa decide tomar uma atitude pontual depois da comoção em torno do tema e não dá continuidade e perenidade.

M&M – Há alguns anos muitas empresas iniciaram o movimento da inclusão pela publicidade, ou seja, nas campanhas, o quanto isso pode deixar de ser efetivo caso não haja algo mais estruturado?
Luana – Todo começo pressupõe erros e atropelos, mas é necessário começar de algum ponto. Se começou pela comunicação, tudo bem, mas sabendo que isso tem que ser apenas um passo de um grande plano de ações. A gente lidou com várias marcas que começaram pelo quadradinho preto. Ou seja, entenderam que tinha que tratar essa pauta. Mas se o quadradinho preto não for seguido de uma série de outras ações e em diferentes áreas da empresa, isso é oportunismo e oportunismo pode ser percebido pelo consumidor como algo que traga para marca um discurso muito vazio. É muito perigoso as marcas começarem pela comunicação sem entenderem que é só mais um ponto de toda a estratégia. Ou seja, a comunicação é só um primeiro passo e não deve parar por aí.

Por: Luiz Gustavo Pacete
Fonte: Meio&Mensagem

Balneário Saboroso – ABERTURA da 11ª Edição

Hoje, 26 de novembro, é mais um daqueles dias que temos a sensação de dever cumprido.

Este ano, nós da #AVANCE, criamos uma campanha com total sintonia ao atual momento do mundo. Onde os esforços são à proteção e os cuidados sanitários de maneira geral.
 
Com o mote de campanha: Quando o coração é de sol, saboroso é o verão – o Balneário Saboroso, que há mais de 10 anos acontece no inverno, este ano foi reinventado, para um melhor resultado e experiências ainda mais saborosas. A edição verão do Balneário Saboroso ocorre entre os dias 26/11 a 20/12.

A Avance propaganda, está há 2 anos como a Agência oficial do Festival. Em 2019, através de nossas estratégias e ações, garantimos ao Balneário Saboroso, um crescimento em vendas superior a 53%, nunca antes vivenciado, o que nos enche de orgulho e claro, nos dá a certeza que, nosso time de especialistas, realmente está focado em cada cliente e sempre garante os melhores resultados. É ou não é para estarmos ainda mais orgulhosos?

 Lembre-se, a 11ª edição do Balneário Saboroso já está acontecendo. E para esse ano, são 22 restaurantes, com Menus exclusivos com Entrada, Prato Principal e Sobremesa por um valor de R$ 59,90 por pessoa.
 
Além disso, contribuir com o comércio de nossa cidade garante uma retomada da economia, manutenção de empregos e novas oportunidades de trabalho a todos. Incentive, prestigie e faça você também parte do Balneário Saboroso.
 
Sobre o Festival Gastronomico:

11º BALNEÁRIO SABOROSO
O Festival Gastronômico Balneário Saboroso está comemorando seus 11 anos de pura gastronomia e convida você, para juntos, transformarmos essa edição.
Permita-se fazer parte desse roteiro gastronômico de verão, que irá percorrer os 22 melhores restaurantes de Balneário Camboriú em uma experiência gastronômica completa.

QUANDO O CORAÇÃO É DE SOL, SABOROSO É O VERÃO.
Venha fazer parte desta celebração que acontece entre os dias 26/11 a 20/12 e desfrute de grandes momento, com a incrível diversidade de menus únicos com Entrada, Prato Principal e Sobremesa.

Acesse o site do Festival e escolha os seus Menus preferidos.

Marketing digital pode salvar empresas durante pandemia: entenda

Imagem: https://pixabay.com/pt/photos/marketing-digital-seo-google-1725340/

 

A pandemia do Coronavírus (COVID-19) deixou o mundo em completo estado de choque. Cidades inteiras estão entrando em bloqueio, os preços das ações estão caindo e as pessoas estão sendo despedidas em um ritmo massivo.

Como proprietário de uma empresa durante esse período, você pode estar se perguntando:
●    Como isso afetará meus negócios?
●    Como vou manter meus clientes?
●    Devo tentar divulgar meu negócio durante esse período?

A resposta às perguntas 1 e 2 varia de acordo com a natureza do seu negócio, mas a resposta à 3 é, em todos os casos, um sonoro SIM.

Agora é a hora de marketing, mais do que nunca. O mundo inteiro está colado aos seus dispositivos para se manter atualizado com o que está acontecendo em seu país, em todo o mundo e nas comunidades e empresas em sua área local. O marketing girou em torno de alcançar as pessoas onde elas estão agora – online.

Algumas agências de marketing digital, estão tendo um aumento cada vez maior na demanda de serviços, como gestão de redes sociais e criação de sites. Isso mostra o quanto o mercado está se voltando para o mundo digital.

O marketing digital é a chave para manter seus clientes informados, alcançando clientes potenciais e saindo à frente de seus concorrentes quando toda essa crise acabar. Os 3 principais benefícios de continuar seus esforços de marketing.

Dicas para execução em todo o marketing digital
Como marca, é importante estar atento a como as pessoas se sentem durante a crise. Mostrar empatia torna sua marca mais agradável e o respeita ainda mais. A linguagem e as imagens precisarão ser escolhidas com cuidado.

Não tenha medo de usar diferentes caminhos do marketing digital. Apenas esteja atento a todas as tendências.

Utilize o Marketing nas redes sociais
Todo mundo está online mais do que nunca hoje em dia, e as pessoas estão se conectando por meio das mídias sociais. Com maior alcance, envolvimento e tempo gasto nas várias plataformas sociais, é hora de ter uma estratégia de conteúdo forte em vigor. Coloque sua marca na frente de clientes em potencial e fique presente em seus seguidores.

Tenha um plano de marketing de mídia social para envolver os seguidores, de modo que, quando eles postarem um comentário ou pergunta, você esteja respondendo rapidamente. Acompanhamento e engajamento fazem maravilhas com o atendimento ao cliente, mesmo nas redes sociais.

Maximize seu alcance na mídia social usando hashtags relevantes. Faça pesquisas para encontrar as hashtags que estão sendo usadas em seu setor. Hashtags relevantes estendem seu alcance ao mesmo tempo em que retratam sua marca sob uma luz positiva.

Pense no que suas marcas oferecem, no que você está fazendo durante esse período. Use hashtags que sejam relevantes para o que sua marca está fazendo para encerrar o COVID-19 ou como você os está apoiando.

Otimize suas páginas através do SEO
A Otimização de Mecanismos de Busca é a maneira orgânica de mover seu site nas classificações dos buscadores. As múltiplas facetas são selecionar palavras-chave alvo que você deseja classificar, otimizar suas páginas com essas palavras-chave, blogs e adquirir backlinks.

SEO é um processo que leva tempo para melhorar sua classificação. Vá até o seu site e analise as palavras-chave atuais. Pode ser hora de fazer ajustes se suas classificações não estiverem onde você deseja.

Você também pode descobrir que seus concorrentes estão diminuindo seus esforços de SEO, o que significa que sua marca pode crescer mais rapidamente do que o normal.

Por que mover para cima nos motores de busca agora é tão importante?
Se você está aberto para negócios agora, é ainda mais importante estar na página 1. Com muitas empresas fechadas, você deseja que os clientes possam encontrá-lo. Se eles estão prontos para comprar e procurando um negócio que possa ajudá-los, você pode aumentar suas vendas.

Se o seu negócio não está aberto, você quer ficar na mente deles, pois você vai abrir novamente após o COVID-19 e você pode estar no topo da lista para voltar assim que a vida voltar ao “normal”.

Como lidar com vendas online
Quer você venda um produto ou serviço para uma empresa B2B ou B2C, trata-se de construir relacionamentos. Todas as empresas se beneficiam de clientes em potencial por meio do funil de vendas.

O funil de vendas é um processo passo a passo que seu cliente em potencial realizará desde o primeiro contato até a compra. É mais largo na parte superior e mais estreito na parte inferior.

Cada estágio do funil empurra os clientes em potencial para o próximo estágio, enquanto filtra aqueles que não são adequados para sua oferta.

Em alguns casos, isso leva tempo, então por que não começar agora e continuar trabalhando para aumentar seus clientes? Isso definirá sua marca para o sucesso após a crise.

Sim, o marketing digital pode salvar empresas durante pandemia. Ele foi uma saída para muitas empresas e continuará sendo por um longo tempo. Se a sua empresa não está incluída nesta realidade, aproveite as dicas e comece o mais rápido possível.

Fonte: Acontecendo Aqui
https://acontecendoaqui.com.br/marketing/marketing-digital-pode-salvar-empresas-durante-pandemia-entenda-0
Imagem: Pixabay

Verdade e funcionalidade

Conversas mais simples e próximas transformam influenciadoras de beleza em novas autoridades na comunicação do setor com diferentes públicos

Estudo feito pela Shareablee em 2018 avaliava sob variados aspectos o impacto da ação de influenciadores. Um ponto de destaque era a associação dessas pessoas ao comportamento de compra dos seguidores. Quase a metade daqueles entre 18 e 34 anos (42%) afirmaram testar produtos indicados por um influenciador e 26%, terem feito uma compra com base em recomendação. E a inclinação para as compras após uma recomendação cresce entre os mais jovens: 48% daqueles entre 18 e 24 anos. São números a serem levados em consideração quando se estima que o mercado de influencers já mova mais de US$ 10 bilhões globalmente. E se tem um segmento em que eles — e especialmente elas — se destacam é o de beleza.

Patricia Borges, CMO da L’Oréal Brasil, destaca que nos últimos anos influenciadoras têm se consolidado como importantes formadoras de opinião, possibilitando à companhia e suas marcas compartilhar mensagens, produtos e benefícios de forma genuína. “A migração da comunicação para o digital não é um movimento apenas publicitário, é cultural”, ressalta. Em especial no início da pandemia, a L’Oréal elevou a proporção de mídia digital. Em 2020, até aqui, esse aumento de investimento é de 128%.

Ainda que ressalte crer no mix de meios, a CMO é taxativa em dizer que as influenciadoras, hoje, são parte do negócio. “Quando trabalhamos com uma influenciadora, ela passa a ser a voz da marca para a audiência dela, e, por isso, é importante escolhermos sempre aquelas com propósitos alinhados aos da empresa”. Um exemplo do fortalecimento dessa relação é o projeto “Meu mundo Lancôme”, no qual as influenciadoras criam sua própria loja online no e-commerce da marca com produtos selecionados por elas e que fazem parte de suas rotinas de beleza. “É isso que buscamos: influenciadoras que consigam engajar sua audiência de forma verdadeira”, diz Patricia. Olhar com cuidado KPIs gerados pelas estratégias de influenciadores, tanto quantitativos quanto qualitativos, e a diversidade, para representar um conceito amplo de beleza, ligado a empoderamento e autoestima, com influenciadoras de diferentes idades, biótipos e estilos, também é um foco.

André Farber, vice-presidente de vendas do Grupo Boticário, atribui a ascensão dos influenciadores à democratização da informação. Facebook e WhatsApp fizeram as pessoas migrarem o foco de conteúdo e entretenimento de fontes únicas (TV, revistas) para um “marketplace de informações”. Se inicialmente havia uma onda de super blogueiras, todos de certa forma são um veículo e podem falar de um assunto por afinidade. Ainda que as marcas sigam investindo em super blogueiras, cada vez mais incluem pessoas comuns em seu ecossistema. Quem disse, Berenice?, por exemplo, criou o “Chega Mais”, em que fãs da marca podem promover produtos em suas redes. A afinidade de perfis de produtos e marcas também é ponto-chave. “Se falamos de uma linha de orgânicos, como lançamos agora, vamos falar com quem tem a ver com isso, que atua por uma vida mais natural e tem um público que acredita também”, diz Farber.

Caroline Bertelli, diretora de marketing da Dailus, também ressalta que houve uma transição de meios e o que as influenciadoras fizeram foi surfar a onda muito bem. O discurso de autoridade da mídia viu surgir uma linguagem mais próxima com o público e formas mais didáticas de conversa. “O consumo mais simples e claro de mídia gerou um consumo de forma diferente para outras coisas. Na beleza, passou a haver um resultado imediato das ações que as marcas faziam, de conversão de vendas, no PDV, pelo fato de uma menina ter tirado todas as dúvidas sobre um produto”, diz.

A Dailus, que completará 15 anos em 2021, cresceu oferecendo às influenciadoras seus produtos para produzirem conteúdo, enquanto estas ofereciam a suas audiências uma alternativa de consumo nacional aos importados de custo elevado. Se por muito tempo conteúdos de beleza queriam inspirar, as pessoas buscam agora aquilo que sirva ao seu dia a dia. Com isso, a Dailus fez parcerias de médio prazo com influenciadores como Camila de Lucas, Gessica Kayane; Tássio Santos, jornalista e maquiador negro, do perfil Herdeira da Beleza; e Jéssica Riviery, que tem mais de 500 mil seguidoras no Instagram falando sobre unhas.

Carlos Pitchu, vice-presidente de mídia, conteúdo e comunicação da Natura&Co para América Latina, concorda que para a beleza o trabalho com influencers possa ter mais relevância, mas com o amadurecimento do digital, o caminho é válido para todos os setores. “Para a indústria de beleza, elas nos apoiam de diferentes maneiras, não é somente sobre seu alcance, mas a relevância construída em parceria. Acessam públicos de maneira super inteligente e eficiente, trazem feedbacks, porque estão com o dedo no zeitgest”, analisa. O executivo ressalta que cada categoria de produto tem mix e escolhas diferentes e que “one size does not fits all”, quando o assunto é a relação influencer e mídia. Além disso, o volume de seguidores é quase secundário diante de engajamento, só obtido com conteúdo pertinente e bom serviço.

André, do Boticário, afirma que o investimento mudou bastante dos meios tradicionais para os digitais. Outro ponto é a forma que os profissionais de marketing estruturam as ações: antes poucas e grandes campanhas, com longo prazo, e, agora, numa velocidade muito maior. “Temos mais engenheiros trabalhando com mídia digital, quando no passado eram mais publicitários. Agora, existe um combo de soft e hard, que ganhou peso”, pontua.

Omnicanalidade é um conceito que a L’Occitane en Provence também usa na mídia, segundo Pierry Coni, head de marca no Brasil, ao justificar a extinção da linha online-off-line, para uma comunicação 360º e interconectada. “A dinâmica da comunicação das marcas foi alterada positivamente pelo trabalho das influenciadoras, porque agora podemos nos conectar mais diretamente com novos públicos, nos aproximando através da figura de pessoas conhecidas, que têm alto poder de aconselhamento para suas audiências”, comenta.

No caso de uma marca “masstige” (mix de massa e prestígio, em inglês), diz Pierry, influenciadoras ajudam a reforçar a mensagem de que seus produtos e serviços podem estar no dia a dia de uma pessoa comum. Embora considere número de seguidores e engajamento métricas importantes, a afinidade de filosofia para uma parceria genuína em torno de determinado produto está acima de tudo. Exalta, ainda, o papel das influenciadoras em trazer mais representatividade e diversidade ao setor de beleza.
Para Joana Gasparini, head de digital da sueca Foreo, a tecnologia nos trouxe ao digital, mas as influenciadoras foram indispensáveis para ajudar marcas a entenderem essa nova opção de comunicação. “Elas são essenciais para ajudar a marca a atingir públicos variados. Trabalhamos com elas para educar os consumidores de forma mais prática, rápida”. A Foreo surgiu em 2013, criando uma categoria de aparelhos para cuidados faciais. Os pontos de venda físicos são um lado importante do negócio afetado na pandemia e a marca redirecionou quase 100% do orçamento para o digital.

“Mudamos o tom da mensagem e vimos a audiência crescendo em diferentes áreas. Vimos pessoas mais velhas aprendendo a usar a internet, consumindo via e-commerce”, destaca Joana. Como resultado, a venda online cresceu de abril a junho. Mesmo com a reabertura das lojas e vendas em unidades como Sephora e Amaro, o e-commerce continua relevante, concentrando, agora, 65% das vendas. Inclusive por isso, as ações com influenciadoras seguem relevantes, já que elas, de certa forma, se tornam uma personificação da marca num período como o da quarentena, em que tato e empatia são essenciais. Além disso, elas geram desejo pelos produtos e ajudam na parte educacional.

Gestão de riscos
Influenciadores são pessoas, passíveis de deslizes e comportamentos que eventualmente se descolam dos valores das empresas, e é consenso que a melhor forma de evitar problemas é uma seleção criteriosa. “Temos um processo longo e estruturado na escolha das influenciadoras que trabalham conosco, justamente para evitar incompatibilidades”, diz Patricia, CMO da L’Oréal.

Pierry Coni, da L’Occitane, ressalta como risco, além de uma eventual desconexão da influenciadora com os valores da marca, o fato de a pessoa trabalhar para muitas ao mesmo tempo, o que não gera identidade com qualquer uma delas. O processo de escolha e de construção de um briefing em conjunto é destacado também por Carlos Pitchu. Somente assim haverá compreensão dos objetivos de cada ação. “Mas são pessoas. Compreendemos que, eventualmente, pessoas podem ser mal interpretadas ou mesmo cometer erros. Precisa saber reconhecer e reparar rapidamente, sempre tendo a verdade como matéria-prima”, diz.

André, do Boticário, ressalta dois pontos de atenção no trabalho de influência: fazer algo que não seja verdadeiro, porque vira “investimento à toa”, e, em parceria recorrente com alguma pessoa, fazer essa escolha após um escrutínio maior, porque torna-se quase uma sociedade e é preciso entender com quem a marca está compondo essa sociedade. “Quando trabalhamos só por números podemos pecar nas escolhas. É preciso ter sinergia entre marca e pessoa”, faz coro Joana, da Foreo.

Já Caroline, da Dailus, lembra que crescemos na cultura das celebridades, e a transição das mídias representou um alívio a isso, mas quando alguém se torna “super influenciadora”, existe o risco de voltar ao lugar comum da “capa de revista” de antigamente. Neste ponto, o sucesso do TikTok está em ser “diversão, conteúdo do dia a dia, nada inspiracional”, diferente do que o Instagram estava se transformando. Por outro lado, alerta para o fato de algumas marcas de beleza andarem mais “preguiçosas”, delegando a construção de marca às influenciadoras. “As marcas é que precisam saber o que querem fazer”.

De divulgadoras a marcas
Ao perceberem seu poder, algumas criadoras de conteúdo passaram a ter suas próprias marcas. Camila Coutinho é uma delas. Em 2006, criou o blog de moda e beleza Garotas Estúpidas e de lá para cá se tornou mais influente, desenvolvendo parcerias com MAC, Dior, Pantene, Diane Von Fürstenberg, Revolve, Natura e Renner. Em setembro de 2020, a influencer decidiu investir em uma marca de beleza própria, a Ge Beauty, com foco nos cuidados para cabelo. Camila criou a Ge Beauty após o surgimento de uma marca com o nome Garota Estúpida. “Isso acendeu uma luzinha para mim desse segmento e me deu vontade de pegar aquilo e fazer do meu jeito, da maneira que acreditava”, revela Camila.

Outra criadora que lançou sua marca de cosméticos foi Bruna Tavares, do blog Pausa para Feminices. “Minha carreira de blogueira está muito ligada à minha carreira de empresária, porque em 2009 criei meu blog e, em 2011, recebi um convite para fazer meu primeiro batom. Dali por diante não parei mais. Lancei coleção, depois a marca própria”, comenta. Com sua marca, afirma ser capaz de se envolver muito mais e ter confiança, porque estar lidando com seu nome.

Em 2011, Bianca Andrade estreou seu canal de beleza no YouTube, chamado Boca Rosa. Desde então, Boca Rosa, como passou a ser chamada, foi ganhando uma grande base de fãs e chamou atenção das marcas. Após trabalhar para empresas de beleza, em 2018, a influencer lançou a Boca Rosa Beauty em parceria com a Payot. Bianca comenta que ao fazer campanha publicitária para outras marcas se apaixonava pelos bastidores. “Achava incrível ser o rosto das marcas, era uma honra para mim. Ao mesmo tempo, tinha essa curiosidade e vontade de ter uma marca própria, para aplicar tudo isso que via e me encantava dentro de um projeto meu”, recorda.

Apesar de ainda não ter sua marca própria, Bruna Santina Martins, conhecida como Niina Secrets, lançou sua primeira linha de maquiagem em setembro com a Eudora. A influencer estreou seu canal no YouTube em 2010 e desde lá conquistou muitos fãs de beleza e maquiagem e trabalhou em parceria com marcas do setor. “Já era parceira da Eudora há alguns anos e, quando o convite chegou, conhecia a qualidade dos produtos e os valores da empresa, o que me deu muita segurança para dar esse passo”, explica Niina, reforçando que no momento não pensa em ter uma marca própria, mas não descarta a possibilidade.

Marketing orgânico
Por estarem no mercado há muitos anos, as influenciadoras de beleza apostam em sua base de fãs para construir o marketing de suas marcas. Bruna Tavares deu início ao que hoje em dia é conhecido como spoiler, ou seja, dar uma prévia aos fãs sobre o que é o produto. “Desde o meu primeiro batom trouxe meu público para os bastidores. Não foi uma estratégia de marketing, foi orgânico e natural, mas que se tornou uma estratégia que muitas marcas usam, trazer o consumidor aos bastidores, para ele ver o projeto nascendo junto com você”, comenta Bruna.

Niina Secrets usa o spoiler em sua linha com a Eudora. “Poder compartilhar o andamento do projeto em primeira mão com toda a comunidade por meio de espiadinhas e spoilers foi um fator importante da estratégia do lançamento”, afirma Niina. “Um dos principais pontos sobre o desenvolvimento da linha com a Eudora foi a liberdade que a marca me deu para criar, e pudemos contar com a colaboração dos meus seguidores, de representantes e consumidoras da Eudora e de outros creators de beleza”, complementa.

Por ser uma marca nativa digital, a estratégia de marketing da Ge Beauty é 100% digital. Segundo Camila, a marca nasceu para ser maior do que ela própria e do que o Garotas Estúpidas, e os seguidores dessas duas marcas pessoais da influencer deram início ao marketing da Ge Beauty. Além de não estar presente na campanha de lançamento da marca, a Ge Beauty não usou outras criadoras de conteúdo em sua divulgação. “Queríamos que os primeiros reviews que surgissem na internet, nas redes sociais, fossem de consumidoras reais, que, de fato, compraram o produto e estão ali falando puramente tudo que acharam”, diz. Posteriormente, a marca começou a criar relacionamentos com influenciadoras especializadas em beleza e cabelo. “Acredito muito no poder da resenha, da comunidade, da troca e, obviamente, aos poucos vamos ficando mais ativas no mercado de marketing de influência”, explica Camila.

A estratégia de marketing da Boca Rosa Beauty é criar uma história, uma nova identidade a cada lançamento. Entretanto, assim que Bianca Andrade saiu do BBB 20, a marca tinha cinco lançamentos a serem feitos, mas a pandemia levou a adiá-los. Naquele momento, a influencer repensou a estratégia. “Comecei a me questionar como conseguiria chamar a atenção das pessoas, então comecei a brincar com o marketing orgânico, de colocar o meu produto em momentos aleatórios do dia”, recorda. “Isso virou uma estratégia onde todas as seguidoras faziam a mesma coisa em suas casas. Tive um retorno fora do normal e fez com que minhas seguidoras tivessem um engajamento não só comigo, mas com o meu produto”.

Cataldo Domenicis, gerente executivo de marketing da Sephora, acredita que as estratégias com criadores de conteúdo desenvolvidas de forma coerente e genuína trazem sempre retornos positivos a todos. “Os rumos que o mercado de influência de beleza vem tomando evidenciam tendências cada vez mais conectadas à autoaceitação e bem-estar, ou seja, a beleza como ferramenta de autoestima. Os influenciadores chegaram para quebrar paradigmas e fazer ecoar os novos conceitos de uma beleza sem padrões pré-estabelecidos, de maneira inteligente e inclusiva”, opina.

Relação com outras marcas
Apesar de investirem em linhas e marcas próprias, a relação das influenciadoras com marcas de beleza continua. Mesmo depois de ter lançado sua marca própria, Bruna Tavares seguiu recebendo propostas para parcerias. A influencer revela que sua estratégia é fazer publicidade para coisas diferentes do que existe em sua marca. “Se tenho na minha linha batons de um certo tipo, não vou fazer publicidade de marcas que têm coisas iguais”. Camila Coutinho também continuou fechando parcerias com marcas que têm produtos diferentes dos seus. “Nunca tive medo de perder anunciantes”, afirma.

Para Niina, ver criadoras de conteúdo em posição de empresárias contribui para o mercado, porque amplia a concorrência e mostra como o trabalho delas é realmente sério. “Há dez anos, mal se falava sobre o assunto e hoje é quase impossível falar sobre marketing sem mencionar influência digital”. Segundo Bruna, as marcas continuam trabalhando com influenciadoras que já têm sua própria marca, porque sabem o poder de suas vozes e seu papel em elucidar o público e ampliar a base de consumidoras. “A marca pode ter um funil de vendas muito grande, mas na hora que divulga um produto, não vende. Já uma blogueira que tem uma linha de maquiagem, a marca já sabe que ela reverte, então, ter ela ali apoiando um projeto é óbvio que dará certo”, afirma.

Os influenciadores são membros de uma comunidade capaz de comunicar conceitos e traduzir estilos de vida, de acordo com Cataldo. “Buscamos trabalhar na Sephora com nomes que acrescentam diversidade, inclusão e representatividade às nossas iniciativas e ações, além de priorizar aqueles que possuem um poder de influência positivo, transparente e saudável”, afirma. Já Niina Secrets ressalta que o papel das influenciadoras de beleza passou por uma clara mudança, assim como o mercado em geral. “Antes, nossa posição partia muito mais de um ponto de vista de consumo e isso se expandiu, também ajudamos a moldar os caminhos do setor quando nos tornamos uma marca e servimos de modelo para o comportamento de uma nova geração de criadores de conteúdo”, opina.

Por Amanda Schinaider e Roseani Rocha – Meio & Mensagem

Verdade e funcionalidade


Montadoras x locadoras: o império contra-ataca

Montadoras (mesmo com os seus passos de tartaruga) começaram a enxergar a locação de veículos um nicho de mercado em que também podem atuar

Caro leitor, digníssima leitora: dentro daquela nossa filosofia de escrever no conceito “rodriguiano” de ser (de mostrar a vida como ela é), sempre achamos meio esquisito o endeusamento feito às empresas de locação de automóveis listadas na B3.

Num primeiro momento, na visão do estagiário, a gente deixava para lá. Afinal de contas, somos daqueles que acreditam que título de capitalização é um bom negócio!

Além disso, temos um zilhão de excelentes analistas que conseguem enxergar uma série de fatores, onde o estagiário meio “zarolho” não consegue ver…

Mas, como são mais de 20 anos estagiando no setor automotivo, nós tínhamos (temos) algumas dúvidas. E quais eram as nossas dúvidas?

Quando conversamos com a “gringaiada”, a visão que tínhamos (naquele mundo acima da linha do Equador) era de que o negócio de locação – apesar de ser bom – possuía margens operacionais bem estreitas. Era basicamente matar um elefante por dia, para retirar só 1 kg de filé mignon.

Tanto que uma das montadoras mais tradicionais do mundo (a Ford), se desfez da Hertz lá em 2005, já que, na visão deles (e da grande maioria das montadoras), o mercado de locação de carros não é um grande negócio – para eles. Só relembrando que, em maio deste ano, a Hertz entrou com pedido de recuperação judicial.

Mas, descendo para o mercado abaixo da linha do Equador, e entrando em terras tupiniquins, eis que encontramos a jabuticaba, que só existe por aqui!

E aí, a pergunta que a “gringaiada” faz para nós é: como isso é possível?

Na visão simplista do estagiário, a grande sacada delas (locadoras) é que elas (sabiamente) utilizam de todas as ferramentas jurídicas/tributárias para fazerem grandes aquisições de veículos e, posteriormente, os revenderem.

Na nossa visão, elas estão mais para grandes lojistas de carros usados (ou seminovos) do que de locação… Lógico que a operação de locação ainda é rentável. Tivemos o advento da “uberização” no mercado de trabalho, terceirização das frotas e por aí vai. Mas o “core business” (para nós) é mais na compra e venda do carro.

E não tem nada de errado nisso… ponto positivo para todas elas! Elas perceberam que existe uma pressão de produção mínima pelas montadoras, que existe uma série de brechas tributárias/jurídicas, e cresceram nesse conceito.

E as montadoras as viam (algumas ainda as veem) como uma parceira. Aquela parceria no estilo: “tá ruim, mas tá bom”, mas não deixa de ser uma parceria. Queria eu lá atrás não ter comprado o meu título de capitalização, mas sim comprado – por exemplo – ações da Localiza.

E tudo seria lindo e maravilhoso!

S-E-R-I-A

Mas quando foi que elas pisaram na bola?

Um dos pontos que eu imagino é que uma boa parte dos executivos que tocam as locadoras devem ter sido aquelas crianças criadas a base de pera-com-leite, ou eram crianças criadas em apartamento com carpete… ou algo do gênero.

A regra universal de quando você é criado na rua é: nunca arrumar treta com alguém que seja maior do que você. E a segunda regra é que, se você arrumou a treta, lembre-se: quem bate esquece, quem apanha, nunca!

E aí, elas bateram… e se esqueceram!

O que aconteceu? Há uns 3-4 anos, teve uma locadora que decidiu, depois de um ano, devolver um lote de carros que havia adquirido. E devolveu pelo mesmo preço que pagou. Foi uma medida AUDaciosa que essa locadora tomou junto com essa montadora que não vamos nomear.

Gente… vocês têm ideia? Imagine – por exemplo – você comprar 100 carros a R$ 80 mil (R$ 8 milhões), e, depois de um ano, chegar na montadora e dizer que não gostou, pedir o dinheiro de volta e devolver a frota?

Foi mais ou menos isso que aconteceu…

E a regra mais universal de todo setor automotivo é: NUNCA ME DEVOLVA UM CARRO!

NUNCA! Nem em sonhos… e essa regra é uma regra universal que transcende todo o multiverso!

Mesmo se você tiver um contrato dizendo que pode fazer isso, você NÃO pode fazer isso! Sabe… é daquelas regras/leis para “inglês ver”.

Mas, não… o caboclo tinha que ir lá e me devolver um lote de carros. Vocês não têm noção do perrengue que isso gerou na montadora!

Parecia a Revolução Francesa… a guilhotina ceifou diversas cabeças – e não foram as do baixo clero.

E, neste momento, o rastilho de pólvora foi acesso!

O que o pessoal começou a pensar: se tem uma locadora que tem a coragem de fazer uma presepada dessas com outra montadora, eu posso ser a próxima. Vários executivos que fazem a gestão de contas com locadoras começaram a pensar duas vezes na hora de negociar. Da mesma forma que as montadoras (mesmo com os seus passos de tartaruga) começaram a enxergar a locação de veículos um nicho de mercado em que também poderiam atuar.

Foi neste momento que as montadoras decidiram contra-atacar!

Primeiro, foi a Toyota com o seu Kinto:

Depois, tivemos a CAOA-Chery com o seu programa de locação:

A penúltima (semana passada) foi a Volkswagen, lançando seu programa de locação de veículos:

E nesta semana (será lançado na sexta-feira), vai para a rua o programa da Fiat. Mas não da montadora FIAT, o da associação dos concessionários Fiat (ABRACAF). Eles (os concessionários) decidiram montar uma empresa de locação de carros (a LEVEN), pois, afinal de contas, a ABRACAF possui mais de 521 concessionárias associadas espalhadas pelo Brasil inteiro, e nada melhor do que elas próprias para depois revenderem o veículo seminovo. A previsão da ABRACAF é ter 100% de adesão dos seus 521 concessionários no menor espaço de tempo.

Como disse no começo do texto, existe um zilhão de excelentes analistas que conseguem visualizar melhor o que poderá acontecer com os papéis das locadoras que são listadas na B3, diferentemente do estagiário aqui. Mas o que ouvimos/percebemos dos players do setor automotivo é que as montadoras (e concessionárias) decidiram contra-atacar com tudo o mercado das locadoras. E, aqui, as locadoras terão que ter muita “força” para poder aguentar o tranco.

Essa possível fusão Localiza-Unidas é um claro sinal disso.

Mas, mesmo assim, nos atrevemos a indicar um cenário bem nebuloso para as locadoras (acho que vou continuar com meu título de capitalização…)

 

Por: Raphael Galante
Fonte: Infomoney

Montadoras x locadoras: o império contra-ataca

Pandemia impacta demanda para influenciadores

Seguidores e engajamento aumentam, mas cai o investimento das marcas em influencer marketing, segundo pesquisa da JeffreyGroup

Operíodo de isolamento social propôs um cenário mais restrito de lazer e entretenimento fora de casa e aumentou o tempo de consumo de conteúdo nos dispositivos. Como consequência para o mercado de influenciadores, o comportamento impulsionou o número de seguidores e o engajamento do público, mas esse boom não se refletiu em maiores investimentos por parte das marcas. Pelo menos, esse é o panorama mostrado em uma pesquisa feita com mais de 250 influenciadores digitais da América Latina pela área de Inteligência e Análise da agência JeffreyGroup.

O estudo abordou influenciadores de diversas áreas como entretenimento, games, estilo de vida, família, esportes, tecnologia, turismo e bem-estar. Entre os entrevistados, 75% relataram uma diminuição no envolvimento em ativações, e quase metade (47%) experimentaram quedas moderadas (maior que 15%) e expressivas (maior que 50%) em atividades envolvendo marcas. A maior parte dos influenciadores que relatou queda nas atividades aborda temáticas relacionadas com família, estilo de vida e entretenimento.

A pesquisa mostra que não apenas a demanda caiu, como também a verba das marcas para os trabalhos contratados. Aproximadamente dois terços dos influenciadores (66%) relataram reduções nos orçamentos das marcas, com 29% deles sofrendo reduções de mais de 50%. As áreas de tecnologia, entretenimento e família tiveram os maiores impactos neste caso. Em contrapartida, apesar da queda nas atividades e orçamentos das marcas, 54% dos entrevistados tiveram um aumento de público em suas contas e 58% maior engajamento em seus conteúdos.

O território de bem-estar foi o que teve o maior número de influenciadores com ganhos de seguidores (60%) e elevação do engajamento (67%). Um dos tópicos do estudo questionou ainda qual o tipo de conteúdo preferido pelo público nos últimos meses. Nesse sentido, 78% relataram que seus seguidores estão procurando por temáticas que estejam relacionados com a pandemia. No entanto, 87% deles concordam que as mensagens das marcas devem ser autênticas e empáticas em relação à situação atual e 92% confirmaram que seus seguidores querem se divertir e se sentir inspirados e bem informados.

Por fim, os entrevistados classificaram os maiores erros que as marcas cometem ao buscar engajamento por meio de influenciadores, sendo pela ordem do maior para o menor: tentar exercer muito controle sobre o conteúdo; ter expectativas irreais em relação às ações com os influenciadores; não ter objetivos claramente definidos para suas campanhas; e ter pouca ou nenhuma compreensão sobre o público.

Por: Meio & Mensagem
(Crédito: Mateus Campos Felipe/ Unsplash)
Crédito da imagem de topo: audioundwerbung/iStock