Investimento em publicidade soma R$ 11,2 bilhões no trimestre

Dados da Kantar Ibope Media sinalizam um desempenho estável na comparação com os primeiros três meses de 2020, com recuo de 1,2%

Nos meses de janeiro, fevereiro e março deste ano, os investimentos em publicidade no Brasil alcançaram o valor de R$ 11,2 bilhões, de acordo com dados revelados pela Kantar Ibope Media nesta sexta-feira, 7. O montante é 1,2% inferior ao registrado pelo mesmo estudo da consultoria no primeiro trimestre de 2020, o que representa, na visão da Kantar, uma estabilidade do mercado e um sinal de recuperação no ritmo dos investimentos após um ano de 2020 marcado por retrações econômicas decorrentes da crise da pandemia de Covid-19.

De acordo com Adriana Fávaro, diretora de desenvolvimento de negócios da Kantar Ibope Media, os resultados do primeiro semestre sinalizam uma acomodação do mercado publicitário em relação às novas lógicas de consumo que se desenharam após a pandemia e apontam que os anunciantes se conscientizaram da importância de manter uma comunicação ativa com seu público-alvo. Em 2020, a Kantar Ibope Media reportou um investimento total de R$ 49 bilhões em publicidade no Brasil, número 9,8% inferior ao registrado em 2019, período anterior à pandemia.

O desempenho dos negócios do primeiro trimestre foram impulsionados por alguns setores que ampliaram as verbas destinadas à compra de mídia, como o Imobiliário, que cresceu seus investimentos em 53%; o de telecomunicações, cujo investimento em mídia aumentou 43% no primeiro trimestre e Eletrônicos & Informática, cujas verbas de compra de mídia aumentarem 36%, segundo consultoria.

Esses três setores, na visão de Adriana, tem em comum o fato de refletir os novos hábitos de vivência e consumo da sociedade. As pessoas vem sendo obrigadas a passar mais tempo em casa, seja para trabalho ou para atividades de lazer, o que impulsiona o uso de smartphones e demais devices tecnológicos, que demandam, por sua vez, mais conexão e serviços de telefonia e TV. “Desde que a pandemia começou, todas as pessoas mudaram, de alguma maneira, seus hábitos e isso acabou interferindo na dinâmica dos setores econômicos, que passaram a investir mais em publicidade”, comenta a porta-voz da consultoria.

Ao mesmo tempo em que alguns segmentos econômicos são impulsionados pelos diferentes hábitos de consumo, outros ainda sofrem os efeitos da paralisação das atividades e retração do interesse dos consumidores por conta das medidas restritivas de combate à pandemia. É o caso do setor de turismo, cujo investimento em publicidade recuou 43% no primeiro trimestre de 2021 na comparação com o mesmo período de 2020. O segmento de bebidas, que sofreu os impactos do fechamento dos bares e restaurantes em algumas grandes brasileiras na primeira parte do ano, teve um recuo de 27% nos seus investimentos em publicidade no primeiro trimestre do ano. A mesma queda também foi registrada no setor automotivo, que desde o ano passado também vem enfrentando dificuldades em meio à crise de Covid-19.

Fonte: M&M

Final do BBB21 tem 63 comerciais nos intervalos

Anunciantes aproveitam a exposição do último episódio da temporada, que rendeu recordes comerciais a Globo

Exibido na noite dessa terça-feira, 4 (e já no início na madrugada de terça-feira, 5), o último episódio da edição deste ano do Big Brother Brasil reforçou o poder do reality-show em atrair anunciantes. Para aproveitar o interesse da audiência no desfecho da disputa, dezenas de  marcas exibiram mensagens publicitárias no intervalo do programa.

O encerramento do reality, que consagrou a participante Juliette Freire como a campeã, exibiu seis blocos de intervalos comerciais, com 63 filmes publicitários, ao todo. Alguns anunciantes exibiram suas mensagens mais de uma vez, como a plataforma de e-commerce AliExpress, a Amazon e o Itaú.

Parte dessas marcas exibidas na final eram patrocinadores do reality, que investiram para vincular suas marcas ao longo de todo o programa. É o caso de Avon, Americanas, P&G, Amstel, Seara, McDonald’s e PicPay.

Mesmo as empresas que não patrocinaram o BBB aproveitaram a visibilidade da atração para exibir suas mensagens publicitárias, como Natura, Vivo, Tim, Electrolux, Riachuelo, Casas Bahia, Banco Original, Doril, CVC, MyCon, Engov, Motorola, Pão de Açúcar, Addera, Simparic, Magazine Luiza, Uber Eats, Brahma e outros.

Alguns anunciantes aproveitaram a final para estrear suas campanhas na TV, como a Britania, que exibiu a campanha que celebra os 65 anos da empresa e apresenta Ivete Sangalo como garota-propaganda. O TikTok também usou a final do BBB para estrear o conceito #IssoOTikTokMostra.

Dentro do programa, durante os 100 dias de exibição do reality-show, a Globo exibiu 196 ações de merchandising, considerando as exibições das marcas na TV aberta e no Multishow, de 22 anunciantes diferentes. Já no digital, foram 537 ações entre conteúdos patrocinados na página do BBB no Gshow e ativações nas redes sociais oficiais do programa.

 

Por: M&M – 05/05/2021
Foto: Juliette Freire, a campeã do BBB21, é abraçada pelos finalistas Camilla de Lucas e Fiuk (Crédito: GShow)

Samsung vai comercializar publicidade nas TVs conectadas

Empresa quer explorar formatos comerciais para anunciantes em seus televisores conectados à internet.

Auxiliar os anunciantes a se conectarem com a audiência no momento em que ela está receptiva à absorção de conteúdo é a proposta da Samsung Ads, plataforma de publicidade em suas TVs conectadas que a companhia começa a disponibilizar no mercado brasileiro. Na visão da companhia, existe um movimento intenso em direção a serviços sob demanda, plataformas de streaming e jogos e as marcas tem o desafio de manter a conexão com este novo consumidor.

Nesse primeiro momento, a Samsung oferece dois formatos de inserções publicitárias em seus televisores conectados. O primeiro é o Smart Hub, mecanismo de descoberta de conteúdo que reúne os aplicativos disponíveis na TV. Nesse ambiente, o anúncio publicitário poderá ser exibido ao lado dos aplicativos. As marcas também poderão utilizar o espaço da loja de aplicativos do ambiente da Samsung, o App Store Masthead. Ao clicar nesses banners, o usuário pode ter acesso a anúncios em vídeos e links que levam diretamente ao e-commerce ou site do anunciante.

“Também criamos experiências de anúncios no Samsung TV Plus, nosso serviço de streaming de TV gratuito com suporte para anúncios, disponível em todas as Smart TVs da Samsung fabricadas a partir de 2017 e mais recentes. Essas experiências de anúncio podem ser direcionadas a diferentes tipos de público e oferecem aos anunciantes o alcance da TV linear tradicional com a capacidade de endereçamento e medição do digital”, explica Essio Floridi, sales of director da Samsung Ads da América Latina.

A plataforma de publicidade da marca está disponível para uma rede de mais de 11 milhões de smart TVs e a Samsung vê no mercado brasileiro potencial para a exploração publicitário desse tipo de formato. “Nos Estados Unidos, por exemplo, temos visto um grande crescimento no tempo gasto em streaming. Na verdade, desde o último trimestre de 2019, os consumidores dos EUA passam mais tempo em ambientes de visualização em streaming do que linear e a pandemia apenas acelerou essa tendência. Os anunciantes estão realocando suas verbas publicitárias de TV para ainda atingir audiências de massa no linear e, em seguida, conseguem atingir de uma maneira altamente eficaz no streaming aqueles milhões de pessoas que não foram impactadas”, explica o executivo.

A Samsung está apresentando a plataforma de publicidade ao mercado publicitário e já firmou parceria com O Boticário, que tem utilizado a plataforma para exibir seus produtos.

 

Fonte: Meio e Mensagem