Final do BBB21 tem 63 comerciais nos intervalos

Anunciantes aproveitam a exposição do último episódio da temporada, que rendeu recordes comerciais a Globo

Exibido na noite dessa terça-feira, 4 (e já no início na madrugada de terça-feira, 5), o último episódio da edição deste ano do Big Brother Brasil reforçou o poder do reality-show em atrair anunciantes. Para aproveitar o interesse da audiência no desfecho da disputa, dezenas de  marcas exibiram mensagens publicitárias no intervalo do programa.

O encerramento do reality, que consagrou a participante Juliette Freire como a campeã, exibiu seis blocos de intervalos comerciais, com 63 filmes publicitários, ao todo. Alguns anunciantes exibiram suas mensagens mais de uma vez, como a plataforma de e-commerce AliExpress, a Amazon e o Itaú.

Parte dessas marcas exibidas na final eram patrocinadores do reality, que investiram para vincular suas marcas ao longo de todo o programa. É o caso de Avon, Americanas, P&G, Amstel, Seara, McDonald’s e PicPay.

Mesmo as empresas que não patrocinaram o BBB aproveitaram a visibilidade da atração para exibir suas mensagens publicitárias, como Natura, Vivo, Tim, Electrolux, Riachuelo, Casas Bahia, Banco Original, Doril, CVC, MyCon, Engov, Motorola, Pão de Açúcar, Addera, Simparic, Magazine Luiza, Uber Eats, Brahma e outros.

Alguns anunciantes aproveitaram a final para estrear suas campanhas na TV, como a Britania, que exibiu a campanha que celebra os 65 anos da empresa e apresenta Ivete Sangalo como garota-propaganda. O TikTok também usou a final do BBB para estrear o conceito #IssoOTikTokMostra.

Dentro do programa, durante os 100 dias de exibição do reality-show, a Globo exibiu 196 ações de merchandising, considerando as exibições das marcas na TV aberta e no Multishow, de 22 anunciantes diferentes. Já no digital, foram 537 ações entre conteúdos patrocinados na página do BBB no Gshow e ativações nas redes sociais oficiais do programa.

 

Por: M&M – 05/05/2021
Foto: Juliette Freire, a campeã do BBB21, é abraçada pelos finalistas Camilla de Lucas e Fiuk (Crédito: GShow)

Samsung vai comercializar publicidade nas TVs conectadas

Empresa quer explorar formatos comerciais para anunciantes em seus televisores conectados à internet.

Auxiliar os anunciantes a se conectarem com a audiência no momento em que ela está receptiva à absorção de conteúdo é a proposta da Samsung Ads, plataforma de publicidade em suas TVs conectadas que a companhia começa a disponibilizar no mercado brasileiro. Na visão da companhia, existe um movimento intenso em direção a serviços sob demanda, plataformas de streaming e jogos e as marcas tem o desafio de manter a conexão com este novo consumidor.

Nesse primeiro momento, a Samsung oferece dois formatos de inserções publicitárias em seus televisores conectados. O primeiro é o Smart Hub, mecanismo de descoberta de conteúdo que reúne os aplicativos disponíveis na TV. Nesse ambiente, o anúncio publicitário poderá ser exibido ao lado dos aplicativos. As marcas também poderão utilizar o espaço da loja de aplicativos do ambiente da Samsung, o App Store Masthead. Ao clicar nesses banners, o usuário pode ter acesso a anúncios em vídeos e links que levam diretamente ao e-commerce ou site do anunciante.

“Também criamos experiências de anúncios no Samsung TV Plus, nosso serviço de streaming de TV gratuito com suporte para anúncios, disponível em todas as Smart TVs da Samsung fabricadas a partir de 2017 e mais recentes. Essas experiências de anúncio podem ser direcionadas a diferentes tipos de público e oferecem aos anunciantes o alcance da TV linear tradicional com a capacidade de endereçamento e medição do digital”, explica Essio Floridi, sales of director da Samsung Ads da América Latina.

A plataforma de publicidade da marca está disponível para uma rede de mais de 11 milhões de smart TVs e a Samsung vê no mercado brasileiro potencial para a exploração publicitário desse tipo de formato. “Nos Estados Unidos, por exemplo, temos visto um grande crescimento no tempo gasto em streaming. Na verdade, desde o último trimestre de 2019, os consumidores dos EUA passam mais tempo em ambientes de visualização em streaming do que linear e a pandemia apenas acelerou essa tendência. Os anunciantes estão realocando suas verbas publicitárias de TV para ainda atingir audiências de massa no linear e, em seguida, conseguem atingir de uma maneira altamente eficaz no streaming aqueles milhões de pessoas que não foram impactadas”, explica o executivo.

A Samsung está apresentando a plataforma de publicidade ao mercado publicitário e já firmou parceria com O Boticário, que tem utilizado a plataforma para exibir seus produtos.

 

Fonte: Meio e Mensagem

Washington Olivetto lança o W/Cast

Podcast vai relatar as experiências vividas pelo publicitário em toda a sua carreira.

Estreia nesta segunda-feira (19) nas principais plataformas de streaming de aúdio o W/Cast – podcast de Washington Olivetto. Patrocidado pelo Bradesco Seguros e produzido pela gestora de propriedade intelectual e produtora de conteúdos premium HUB Mídia, o programa irá relatar aos ouvintes as principais experiências de vida do publicitário: trajetória profissional, histórias dos grandes prêmios que recebeu, campanhas que deram muito errado, encontro mal sucedido com a atriz Jennifer O’Neill, parceria profissional com Francesc Petit entre outros.

Um dos destaques dos episódios é o início sempre com um instrumental de uma canção simbólica para Olivetto que remete ao momento em que a história que será contada aconteceu e se repete no fechamento do episódio. Como no de homenagem às Mulheres na Publicidade, que tem, no início e no final, a canção ‘Mulher’, além de ‘Mulher Brasileira’ e ‘Pretty Woman’ no decorrer da história.

O projeto conta com uma campanha de lançamento digital protagonizada por Carlinhos Moreno, o Garoto Bombril. Ele foi dirigido remotamente pelo diretor de filmes publicitários, Andrés Bukowinski, o mesmo que dirigiu Carlinhos em mais de 400 filmes. O comercial traz o garoto propaganda de 1001 utilidades falando sobre o publicitário que tem 1001 histórias pra contar.

Assista: https://vimeo.com/user135676194

Crédito: Marcello Nicolielo
Por: Acontecendo Aqui

Receita de publicidade global baterá recorde em 2021

Ad Age Marketing Fact Pack, guia anual do Advertising Age para profissionais de marketing, mídia e agências, aponta cinco insights para o novo ano

Após um ano conturbado, o Ad Age Marketing Fact Pack 2021, guia anual do Advertising Age para profissionais de marketing, mídia e agências, prevê que a receita de publicidade global baterá recorde em 2021. Entre os cinco principais insights do guia estão:

1. O GroupM, da WPP, prevê que a receita mundial de publicidade saltará 10,2% para um recorde de US$ 651 bilhões em 2021, depois de cair 4,1% em 2020 em meio à pandemia do novo coronavírus.

2. A Zenith, do Publicis Groupe, espera que os investimentos com publicidade dos Estados Unidos aumentem 3,2%, para US$ 237 bilhões em 2021, após uma queda de 5,4% em 2020.

3. O digital está impulsionando a recuperação da publicidade. O GroupM prevê que a receita mundial de anúncios para players digitais puros, como Facebook, Google e outras empresas de mídia digital, crescerá 14,1%, para US$ 397 bilhões em 2021, dando a empreendimentos digitais 61% da receita global de anúncios. A Zenith espera que os investimentos com publicidade na internet nos Estados Unidos tenham alta de 9,6%, para US$ 136 bilhões em 2021, com a internet detendo 58% da publicidade no país.

4. A taxa de desemprego nos EUA (6,7% em novembro) caiu drasticamente desde seu pico pandêmico de 14,7% em abril de 2020, que foi o nível mais alto desde 1939. No início da recessão em fevereiro de 2020, a taxa de desemprego era de 3,5%, o nível mais baixo desde 1969. O emprego em empreendimentos de mídia na internet nos EUA (292.700 em outubro) cresceu durante a pandemia e agora é o dobro do nível de 2013, de acordo com dados do Bureau of Labor Statistics. No entanto, o número de funcionários das agências de publicidade (194.200 em outubro) está perto de seu ponto mais baixo desde 2015.

5. Em todo o mundo, 114 profissionais de marketing têm investimentos globais com anúncios superiores a US$ 1 bilhão; 47 profissionais de marketing têm investimentos nos EUA acima de US$ 1 bilhão. A Amazon, maior anunciante do mundo, tem US$ 11 bilhões investidos em publicidade e promoção em 2019, sendo US$ 6,9 bilhões nos EUA.

 

 

 

(Crédito: ipopba/iStock)
*Por Bradley Johnson, do AdAge

Os fatos mais importantes da Comunicação em 2020

Cortes e reestruturações gerados pela crise e o engajamento de grandes holdings com a proposta de inclusão racial são algumas das movimentações marcantes do ano

Em um ano marcado pela crise da Covid-19 – e pelos seus devastadores e transformadores efeitos que acometeram todo o planeta – Meio & Mensagem reúne os eventos e movimentos mais importantes de um 2020 que obrigou a indústria da Comunicação, assim como os demais segmentos econômicos, a revisitar seus propósitos de atuação, estilo de trabalho e a modificar estratégias para manter-se ativa.

Confira abaixo os assuntos de Comunicação que foram destaque nas plataformas de conteúdo de Meio & Mensagem ao longo do ano. A lista foi definida pela redação, sob critérios editoriais:

Crise gera cortes e reestruturações
A crise econômica provocada pela Covid-19 obrigou os maiores grupos de comunicação a adotarem medidas de redução de gastos. Omnicom, IPG e DAN foram mais enfáticos em relação a redução nas equipes. O WPP suspendeu contratações, adiou o aumento de salários previstos para este ano e algumas de suas agências optaram pelo afastamento de funcionários. A alta cúpula de algumas holdings, como Arthur Sadoun, chairman e CEO do Publicis Groupe, John Wren, CEO e chairman do Omnicom, Mark Read, CEO do WPP, e Michael Roth, chairman do IPG, anunciaram a redução temporária de seus salários, medida que se estendeu ao board das companhias. A crise que atingiu as holdings em 2020 foi mais um golpe em um cenário que já era bastante desafiador: de acordo com o Agency Report, 2019 foi o ano mais fraco para o crescimento das agências nos Estados Unidos desde a Grande Recessão. A Forrester Research, por sua vez, estima que as agências terão cortado 35 mil postos de trabalhos no país até o final de 2020 e que, globalmente, as holdings terão demitido 49 mil funcionários.

WPP intensifica plano de consolidação
O ano foi marcado por consolidações significativas, globais e locais, no WPP. Os movimentos seguem o plano traçado por Mark Read, desde que assumiu o comando da companhia como CEO, há dois anos. No Brasil, a holding anunciou a fusão entre Y&R e VML. Os dois escritórios nacionais eram os únicos da rede global que ainda não operavam unidos. Fernando Taralli, CEO da VML, assumiu o posto de chefe executivo da VMLY&R São Paulo. Já David Laloum deixou a função de CEO da Y&R e passou a atuar como CSO e sócio da empresa de inovação Distrito. Marcos Quintela assumiu o cargo de chairman do grupo, que também inclui a Mutato e a VML Rio, cujas atividades seguem independentes. Globalmente, o WPP anunciou a união entre AKQA e Grey, que posicionou Ajaz Ahmed, fundador da AKQA, como CEO do Grupo AKQA. Outra mudança foi a incorporação da Geometry, especializada em varejo e e-commerce, pelo grupo VMLY&R, originando a VMLY&R Commerce. Fora do WPP, a Dentsu fundiu duas de suas principais marcas, a Dentsu e a McGarryBowen, dando origem à Dentsumcgarrybowen.

Anunciantes e agências flexibilizam relações
Parcerias duradouras entre marcas e suas respectivas agências continuarão a existir mesmo sob o passo mais rápido da transformação do mercado. No entanto, as relações que ultrapassam décadas passam a conviver com formatos alternativos de parceria, a depender do objetivo do anunciante. Ao longo do ano, agências reconhecidas por relacionamentos longevos com seus clientes criaram trabalhos isolados para marcas, como FCB Brasil, que criou um filme para RaiaDrogasil, AlmapBBDO, que fez um projeto para Rappi, e Africa, que fez campanhas para AB InBev e Fila. Uma pesquisa da agência Heart realizada em parceria com a Bistrô Estratégia ouviu 30 heads de marketing de empresas como Pepsico e Alpargatas para saber os rumos das relações com agências. De acordo com o levantamento, 50% dos clientes que possuem contrato de fee pretendem mudar o modelo de remuneração com o fim da pandemia. Já a Scopen ouviu 51 profissionais responsáveis pelo marketing ou compra de mídia e, para 86%, as relações entre marcas e agências tornou-se mais empática, próxima e flexível com a Covid-19.

Festivais cancelados, conteúdos online
Pela primeira vez em sua história, o Festival Internacional de Criatividade de Cannes foi cancelado. A 67ª edição da principal premiação da indústria foi oficialmente adiada para 2021 dias depois de holdings como WPP e Omnicom terem anunciado que não participariam do festival em 2020. Em junho, na semana que ocorreria o evento, a organização fez o streaming do Cannes Live, que contou com debates, keynotes, homenagens, como a de Agência Global da Década, entregue à AlmapBBDO, e o Leão de São Marcos, concedido à Mary Wells Lawrence. O Wave, festival realizado por Meio & Mensagem para reconhecer a criatividade latina, teve as edições de 2020 e 2021 canceladas. Outros dois eventos que mobilizam boa parte da indústria de comunicação haviam sido cancelados meses antes: o Mobile World Congress, realizado em Barcelona, e o South by Southwest (SXSW), que ocorreria em Austin. Outras premiações de criatividade, como The One Show e D&AD, cancelaram as programações presenciais, mas mantiveram as premiações, realizadas online.

Holdings anunciam metas para mudar quadro racial
Os protestos antirracistas que percorreram ruas de diversas regiões dos EUA chegaram às portas das agências de publicidade. Em junho, um coletivo formado por 600 pessoas negras divulgou carta aberta às holdings de comunicação. O documento listou 12 medidas que os grupos e suas agências deveriam adotar para aumentar a presença negra nas equipes, coibir o racismo no ambiente do trabalho e melhorar a qualidade dos projetos veiculados por meio da diversidade de profissionais. IPG e Dentsu enviaram comunicados internos revelando estatísticas étnico-raciais. O WPP se comprometeu aos 12 compromissos emitidos pela carta Call For Change. Entre as medidas, investirá US$ 10 milhões ao longo de três anos para apoiar entidades antirracismo e programas de inclusão. Iniciativas independentes como o projeto Hiretone, criado pela dupla Victor Emeka e Zé Celso Oliveira, trouxeram o debate do racismo nas agências à tona: a iniciativa catalogou as contratações feitas por agências em 2020 e mostra, por meio de uma paleta de cores, que o mercado precisa agilizar ações para mudar a desigualdade racial.

Reconfiguração no grupo ABC
O ano de 2020 começou com o anúncio do afastamento de Guga Valente e Nizan Guanaes das funções executivas do Grupo ABC, fundado por ambos em 2002. O cargo de CEO, até então exercido por Guga, foi assumido por Cristiano Muniz, que já havia trabalhado como COO e CFO da empresa. A consultoria NIdeias, comandada por Nizan desde 2018, passou a atuar de maneira independente, mas respeitando a cláusula de non compete, que impede a operação de prestar serviços que conflitem com os oferecidos pelo ABC. Tanto ele quanto Guga, que respondeu como CEO do grupo desde sua fundação, atuarão como conselheiros da holding até 2021. A saída da dupla antecipou a renovação de contrato do Omnicom, que controla o ABC, com os copresidentes da Africa, Marcio Santoro e Sergio Gordilho, para mais um ciclo de ambos à frente da agência. Em março, a holding encerrou as atividades de uma de suas marcas, a Tribal, e transferiu as contas para a SunsetDDB. Outra mudança no portfólio do ABC foram os 30% de participação da Pereira & O’Dell, comprados pela alemã Serviceplan Group, em outubro.

Mais simbiose entre consultoria, tecnologia e comunicação 
A compra da holding Haus pelo Grupo Stefanini é um dos movimentos que evidencia a simbiose entre consultorias, agências e empresas de tecnologia. A Haus, que tem como maior empresa a agência W3Haus, espera alavancar o pensamento estratégico apoiado por dados, inteligência artificial e analytics, já que a multinacional brasileira Stefanini trabalha em soluções de negócios baseadas em tecnologia. Do outro lado, Marco Stefanini, CEO da companhia, pretende estender o leque de ofertas em marketing para compreender mais a fundo o consumidor e, assim, desenhar estratégias de negócio mais assertivas. A aquisição segue algumas outras, como as da Accenture Interactive, que em 2015 comprou a AD Dialeto e em 2018 adquiriu a New Content. Eduardo Bicudo trocou o posto de CEO da Accenture Interactive América Latina pelo de CEO do Dentsu Aegis Network no Brasil. De acordo com ele, a aquisição da consultoria Cosin pelo DAN em 2016 contribuiu para a disseminação da cultura de consultoria entre as agências do grupo.

A ascensão da cocriação
Agências, veículos e marcas deram mais valor à cocriação para estabelecer conexões mais genuínas com a audiência. A Globo, ao modificar seu departamento comercial e transformar o merchandising da novela A Dona do Pedaço, alçou as oportunidades de cocriação a outros patamares. A emissora realizou projetos multiplataforma criados com agências e anunciantes, como os esforços de conteúdo de TIM para a Black Friday, conduzidos com a agência HavasPlus. Já a Ogilvy, para promover o pack dual de Fanta e Coca-Cola, arquitetou com o canal um plano que envolveu uma das atrações globais mais populares, A Grande Família. E a FCB fez com a Globo o case “Reforma Certa”, para Leroy Merlin. O rechaço do consumidor à interrupção fez com que as três frentes buscassem soluções para reter a atenção das pessoas, criar relevância e gerar vendas. A cocriação se estende de outros campos: varejistas como Amaro e C&A investiram em coleções de roupas feitas em parceria com clientes. O Boticário, por sua vez, promoveu um reality show digital, criado pela W3Haus, cujo vencedor criará um produto para a marca.

Concorrentes se unem em campanhas
A crise da Covid-19 desencadeou uma série de necessidades: serviços mais rápidos e convenientes, produtos mais acessíveis, programas de financiamento e apoio a causas de naturezas diversas. Com isso, concorrentes dos segmentos financeiro e de telecomunicações se uniram em ações conjuntas inéditas. No final de março, Claro, Vivo, Tim e Oi veicularam campanha, criada em conjunto pelas respectivas agências: Talent Marcel, Africa, HavasPlus e NBS, divulgando pacotes especiais com TV e bônus de internet. A Tim, aliás, fez parceria com a fintech C6 Bank para oferecer serviços financeiros e de telecomunicações conjuntos. O acordo também previu a compra de parte do capital do banco pela Tim Futuro. No mesmo mês, Bradesco, Itaú e Santander lançaram filme na TV para promover a inciativa de financiamento da folha de pagamento de pequenas e médias empresas que faturam até R$ 10 milhões. No final de agosto, os três bancos anunciaram os sete integrantes do Conselho Consultivo Amazônia, elaborado para apoiar dez medidas para impulsionar o desenvolvimento sustentável da região.

Restrições dão origem a novas dinâmicas criativas 
Em março, a Spcine, empresa municipal de fomento ao audiovisual em São Paulo, suspendeu os alvarás para filmagens em equipamentos e espaços públicos da cidade. Diante disso, produtoras e agências tiveram de buscar alternativas para seguir com a produção de campanhas de forma remota. O cancelamento abrupto de diversos filmes publicitários não se deu somente por fatores sanitários, mas também pela obrigatória mudança de narrativa na comunicação das marcas com a imposição da quarentena. Bancos de imagens, filmagens na casa dos próprios diretores de cena, animações 2D e 3D e câmera de smartphones foram alguns dos recursos recorrentes. Com a adaptação das equipes ao esquema de criação e produção remota, o craft de filmes criados em condições caseiras se sofisticou – a utilização de telas de celulares e imagens de videoconferência rapidamente ficaram saturadas – assim como o storytelling, que precisou encontrar inúmeras narrativas para abordar o distanciamento social e outros temas pertinentes à realidade vivenciada pela sociedade durante a quarentena.

Por: Meio & Mensagem
(Crédito: Arte/Meio & Mensagem)

Luana Génot: “Marcas, se assumam como racistas”

Luana Génot, fundadora do ID_BR, defende que as empresas não fiquem no meio-termo quanto ao racismo e partam para a ação

Aurgência do combate ao racismo estrutural faz com que não haja mais tempo nem espaço para tabus ou omissões. De acordo com Luana Génot, fundadora e diretora-executiva do Instituto Identidades do Brasil (ID_BR), as empresas não podem mais ficar no meio-termo, devem assumir a responsabilidade e partir para a ação. Nos últimos meses, vários casos reforçam que o setor privado faz parte do problema, mas também pode atuar para ser a solução. Da morte de João Alberto no Carrefour na véspera do Dia da Consciência Negra, em novembro, à declaração considera racista da cofundadora do Nubank no programa Roda Viva, da TV Cultura, em outubro, ou as críticas recebidas pelo Magazine Luiza por lançar um programa de trainee para profissionais negros, em setembro. Tudo remete ao poder que as empresas exercem na sociedade, mas, sobretudo, pelo papel que desempenham quanto à pauta do racismo estrutural.

Luana Génot: “Marcas, se assumam como racistas” Luana_G

Meio & Mensagem – O que o caso recente da morte de João Alberto no Carrefour ilustra sobre a responsabilidade das empresas no combate ao racismo?
Luana Génot – As empresas não devem se esconder em seus relatórios de diversidade se colocando como diversas apenas porque entendem que possuem um número expressivo de profissionais negros em seus quadros. Isso faz com que elas relaxem quanto a essa pauta e esse é um assunto de constante alerta. Essa pauta não está resolvida, temos que fazer, com frequência, revisão de práticas para se desafiar e seguir avançando em relação à igualdade racial. Ainda sobre o caso Carrefour, existe outra questão de extrema urgência: não basta lidar com a questão somente na empresa tem que olhar para o ecossistema de fornecedores, inclusive suas empresas de segurança.

M&M – Como você avalia o discurso de Noel Prioux, CEO do Grupo Carrefour Brasil, no dia 21 de novembro, em rede nacional de televisão, após o caso?
Luana – No primeiro pronunciamento ficou nítido que faltam metas, números, prazos e investimentos. O discurso apenas para dizer que a empresa fica triste e se solidariza com a família do João Alberto é pouco. Agora com o investimento de 25 milhões anunciados para serem direcionados a pauta da igualdade racial, que sabemos que não trataram João Alberto de volta, sirvam pelo menos para marcarem uma nova fase de ações estruturadas pela pauta antirracista. Eu espero que, em futuros pronunciamentos e posicionamentos a empresa comprove ações efetivas e que possui planos para sua cadeia de valores. Para além dos 25 milhões e do prometido direcionamento de um dia de faturamento para essa pauta, precisamos ver no site aberto ao grande público um plano efetivo e seus resultados de curto, médio e longo prazo relativos à pauta antirracista.

M&M – Outro caso recente relacionado a racismo causou repercussão, após o pronunciamento da Cristina Junqueira, cofundadora do Nubank, o que essas situações ilustram sobre o desafio da diversidade estrutural no Brasil?
Luana – O caso do Nubank mostra outro ponto de atenção. Muitas vezes, a gente começa a acreditar que startups desconstruídas estão nascendo em um ambiente completamente diverso. Só que não. Qualquer empresa, seja uma centenária ou uma fintech, vive com os desafios do racismo estrutural. Seja um unicórnio ou um dinossauro. Quando vemos uma mulher branca, como a Cristina Junqueira, jovem e CEO, como é o caso de algumas empresas não só o Nubank a gente pensa, “nossa, ali existe tudo para ser um ambiente completamente desconstruído e inclusivo”. Pelo perfil da empresa, a gente acaba deixando de olhar com urgência sobre o tema antirracista que é uma via da inclusão que ainda tem sido negligenciada.

M&M – E sobre a maneira como o Nubank tratou o caso?
Luana – Muitas coisas, se não são resolvidas pelo amor, se resolvem pela dor. O mais importante é entender que, a partir da dor, e em um contexto em que as marcas estão sendo colocadas em praça pública, emitir nota com afirmações como “não era isso que eu queria dizer”, já não faz efeito. O Nubank nos ensina que é possível fazer de um caso de dor uma situação de construir algo em conjunto. A partir da dor é importante saber o que fazer. Investimento nítido, ações efetivas e um plano absolutamente transparente. Não adianta mais dizer que é pró-diversidade e não levar isso até as últimas consequências.

M&M – Em todos os casos acima temos aprendizados e desafios, qual a mensagem você teria a dar às empresas que ainda não se atentaram para a questão racial?
Luana – O primeiro passo é se assumir como racista. Eu diria, marcas, se assumam como racistas. Estamos todos em ambientes permeados pelo racismo estrutural. Varrer problemas estruturais para debaixo do tapete só tem acirrado as desigualdades que vivemos. Se antes, as empresas omitiam isso, elas precisam admitir que são racistas. E quanto mais rápido o fizerem, mais rápido poderão agir para combater esse mal. Apenas dizer não ao racismo não foi capaz de evitar que a gente reproduzisse o racismo estrutural. Essa virada de chave do “não sou racista para sou racista e preciso fazer algo para combatê-lo” é fundamental para quebrar esse ciclo.

M&M – A partir do momento em que uma empresa se assume como racista, como ir além do discurso?
Luana – Tem várias ferramentas que já ajudam as empresas a, a partir do momento que se assumirem como racistas, desenvolverem ações efetivas. Existem diagnósticos, Censo étnico-racial, meta de contratação, meta de promoção, treinamento de público interno, fornecedores, patrocínio de eventos que falem da temática, entre outras ações. Há uma série de ações que podem construir o combate ao racismo. Existe um outro tipo de discurso que é uma grande ilusão. Muita gente diz que a questão do combate ao racismo estrutural só deve ser orgânica, do coração, natural. Isso é um discurso muito incompleto. Não tem como só ser orgânico, ou algo que surja do coração, principalmente se você tem ambientes onde os negros não estão. Empatia também se constrói intencionalmente. As pessoas não possuem facilidade em falar das questões raciais. Ou seja, o fazer e a mudança envolvem uma intencionalidade. Preciso ter a intenção de falar da igualdade racial relativo a pessoas negras e indígenas.

M&M – Tomando as empresas que você auxiliou como exemplo, o que faz com que as políticas efetivas de combate ao racismo estrutural deem certo?
Luana – Dá certo quando o CEO toma a dor para si. É necessário ter um envolvimento da alta liderança. Dá errado quando o tema da diversidade é delegado para um terceiro ou até mesmo quando fica na mão de uma pessoa negra que não quer cuidar de algo ligado à questão racial, mas que foi escolhida por ser negra. Ou dá errado quando a empresa decide tomar uma atitude pontual depois da comoção em torno do tema e não dá continuidade e perenidade.

M&M – Há alguns anos muitas empresas iniciaram o movimento da inclusão pela publicidade, ou seja, nas campanhas, o quanto isso pode deixar de ser efetivo caso não haja algo mais estruturado?
Luana – Todo começo pressupõe erros e atropelos, mas é necessário começar de algum ponto. Se começou pela comunicação, tudo bem, mas sabendo que isso tem que ser apenas um passo de um grande plano de ações. A gente lidou com várias marcas que começaram pelo quadradinho preto. Ou seja, entenderam que tinha que tratar essa pauta. Mas se o quadradinho preto não for seguido de uma série de outras ações e em diferentes áreas da empresa, isso é oportunismo e oportunismo pode ser percebido pelo consumidor como algo que traga para marca um discurso muito vazio. É muito perigoso as marcas começarem pela comunicação sem entenderem que é só mais um ponto de toda a estratégia. Ou seja, a comunicação é só um primeiro passo e não deve parar por aí.

Por: Luiz Gustavo Pacete
Fonte: Meio&Mensagem

Tetra Pak incentiva a prática de bons hábitos em sua nova campanha

Criação é da agência Jeffrey Group em parceria com a produtora Eyxo

A Tetra Pak, empresa sueca fabricante de embalagens para alimentos, apresenta uma campanha que visa incentivar a reflexão sobre como boas práticas inseridas no cotidiano podem resultar em transformações para o bem-estar coletivo.

Sob o mote “Transformar o presente para proteger o futuro”, a campanha desenvolvida pela agência Jeffrey Group, em parceria com a produtora Eyxo, é composta por um vídeo manifesto de 1’10” e quatro episódios de 30″, onde cada um foca em uma atividade que requer a adaptação de um hábito antigo ou o início de um novo. Alguns exemplos são: fazer exercícios em casa; reunir-se com amigos virtualmente; preparar receitas novas ou se arriscar em reproduzir um prato de família; e ter qualidade de tempo com os filhos.

E por fim, a assinatura “Eu separo, você separa, nós reciclamos” se refere a direcionar corretamente os resíduos para coleta seletiva. Essa escolha representa o início do percurso dos resíduos recicláveis, possibilitando a transformação dos materiais em novos produtos.

“Trabalhamos a educação ambiental há mais de 20 anos e acreditamos no poder dessa conscientização. Queremos reforçar a mensagem de que hábitos individuais fazem a diferença para movimentar o coletivo, beneficiando a cadeia de reciclagem. Também a proveitamos para trazer o conceito da responsabilidade compartilhada, em que a economia circular de baixo carbono se torna viável em um cenário de colaboração entre indústria, governo e sociedade”, comenta a diretora de Sustentabilidade da Tetra Pak do Brasil e Cone Sul, Valéria Michel.

Assista ao vídeo manifesto: https://youtu.be/5zEQP8K4HPw

Fonte: Acontecendo Aqui

Entenda por que as empresas estão boicotando o Facebook

CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, ficou US$ 7,2 bilhões mais pobre na última sexta-feira, 26. As ações da rede social caíram 8,3% – o maior recuo em três meses – após alguns dos maiores anunciantes do mundo declararem que irão interromper a veiculação de anúncios publicitários na plataforma por algum tempo.

O Facebook  – e, mais para o fim da semana, o Twitter – vêm enfrentando um boicote que começou nas redes sociais, nos Estados Unidos, com algumas marcas e que, com o passar dos dias, ganhou proporções maiores. Entidades ligadas à movimentos civis daquele país deram início ao movimento #StopHateForProfit (“Pare de Dar Lucro ao Ódio”, na tradução), para pressionar anunciantes e grandes empresas a retirarem suas verbas publicitárias das plataformas do Facebook por acreditarem que a companhia não vem atuando de forma eficaz para coibir e diminuir os discursos de ódio publicados nas timelines.

Embora as críticas em relação à maneira como as redes sociais, de modo geral, permitem a livre publicação de discursos e ideias que por vezes pode ser ofensivas – ou então, conter informações inverídicas – sejam um tema presente na indústria da comunicação há algun anos, o estopim para a crise atual aconteceu após a eclosão dos movimentos em prol da igualdade racial, que tomaram diversas cidades dos Estados Unidos recentemente, após o assassinato do segurança George Floyd. Assim que os primeiros protestos nas ruas começaram, o presidente do país, Donald Trump, usou suas redes sociais para sugerir que a polícia reprimiria com violência as manifestações. “Quando começarem os saques, começam os tiros”, escreveu Trump em seu perfil no Twitter e no Facebook.

A maneira como a rede social de Mark Zuckerberg reagiu à postagem do presidente foi determinante para dar corpo às críticas. Enquanto o Twitter sinalizou a mensagem do líder estadunidense com um rótulo de conteúdo incitador de violência, o Facebook não fez qualquer filtragem na postagem. Zuckerberg e outros executivos da companhia chegaram a dizer que, de forma pessoal, repudiavam a declaração, mas a companhia, institucionalmente, manteve o discurso de que não poderia interferir na liberdade de expressão.

O crescimento do boicote
Desde a semana passada, diferentes organizações ligadas aos direitos civis, inclusive a Liga Antidifamação, decidiram usar outra estratégia para cobrar uma reação da rede social. As entidades começaram sugerir a anunciantes que interrompessem a veiculação de publicidade no Facebook no mês de julho, como uma forma de ajudar a não fomentar a rede social que, na visão dessas organizações, é permissiva em relação aos discursos de ódio.

O protesto começou a ganhar a adesão de marcas com importante presença em território estadunidense, como The North Face, Patagonia, REI, Ben & Jerry’s, Eddie Bauer e Magnolia Pictures. Na sexta-feira, 26, a gigante de tecnologia Verizon também comunicou que deixaria de anunciar temporariamente na rede social.

A onda cresceu, no entanto, com o anúncio da Unilever, que não apenas seguiu às demais emissoras no boicote, como ampliou a restrições. A companhia, que é um dos maiores anunciantes do mundo, declarou que não irá anunciar mais no Facebook, Instagram e nem no Twitter até o fim de 2020. A dona das marcas Dove, Hellmann’s e Clear, dentre outras, afirmou que irá direcionar seus investimentos em publicidade para outras mídias. De acordo com o banco de dados e plataforma de inteligência Pathmatics, a Unilever destinou US$ 42,3 milhões para o Facebook em 2019. “Continuar anunciando nessas plataformas no momento não agregaria valor às pessoas e à sociedade. Vamos monitorar continuamente e revisaremos nossa posição atual, se necessário”, afirmou a Unilever em comunicado. Ainda segundo a companhia, a forte polarização que toma conta dos Estados Unidos por conta da proximidade das eleições também colabora para o ambiente nocivo das redes sociais.

A retirada da Unilever foi o ingrediente principal para a desvalorização do Facebook, que perdeu US$ 56 milhões de valor de mercado na última sexta-feira. De acordo com o Bloomberg Billionaires Index, a queda do valor das ações fez o patrimônio de Zuckerberg recuar para US$ 82,3 bilhões – e o derrubou em uma posição no ranking das pessoas mais ricas do mundo. Antes, Zuckerberg estava em terceiro, atrás de Jeff Bezos e Bill Gates e, agora, foi ultrapassado por Bernard Arnault, chefe da Louis Vuitton.

A adesão da Coca-Cola

A sexta-feira, 26, ainda reservava outro acontecimento negativo para as finanças das redes sociais. No final do dia, a Coca-Cola divulgou um comunicado para anunciar que pausaria a publicidade em todas as plataformas digitais por um prazo de 30 dias. A marca justifica a atitude por conta de uma revisão de suas políticas de anúncios digitais. No comunicado, a empresa apontou casos de racismo e outras manifestações de ódio que não foram solucionadas pelas grandes empresas de tecnologia. “Não há lugar para o racismo no mundo e não deve haver nas redes sociais. Tomaremos esse tempo para readequar nossas políticas de publicidade e determinar as revisões, caso sejam necessárias”, declarou James Quincy, CEO da Coca-Cola, na nota.

No sábado, 27, outra grande marca global, a Diageo, também anunciou que não fará publicidade nas principais redes sociais durante o mês de julho. A única plataforma em que a companhia de bebidas manterá os anúncios é o YouTube. Em manifestação nas redes sociais, a Diageo declarou que “se esforça em promover a diversidade e inclusão também em suas campanhas de marketing” e que a partir de 1º de julho irá pausar, globalmente, a publicidade paga nas maiores plataformas sociais. “Continuaremos conversando com os parceiros de mídia a respeito de como eles estão lidando com esse conteúdo inaceitável”, declarou a Diageo.

A resposta de Zuckerberg
Em meio a esses anúncios de sexta-feira, 26, Zuckerberg se manifestou para falar sobre as maneiras como o Facebook vêm procurando coibir discursos de ódio e desinformação em suas plataformas. “Especificamente, estamos expandindo nossa política de publicidade para proibir afirmações de que pessoas de uma raça, etnia, origem, religião, casta, orientação sexual, identidade de gênero ou imigrantes sejam tratadas como ameaça à integridade física ou a saúde das demais pessoas”, declarou.

O CEO e fundador do Facebook também reforçou as novas políticas da plataforma em relação à eleição dos Estados Unidos. Segundo ele, a rede social terá um hub de conteúdo e informações sobre a corrida eleitoral, que reunirá as postagens de candidatos e autoridades políticas. A companhia já havia anunciado, há alguns dias, a criação de uma ferramenta que permite que os usuários bloqueiem anúncios políticos, se assim desejarem.

 

Fonte: www.meioemensagem.com.br

Outubro Rosa

Outubro Rosa é uma campanha de conscientização que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e mais recentemente sobre o câncer de colo do útero.

Cerca de 30% dos casos de câncer de mama podem ser evitados com a adoção de hábitos saudáveis como:

Praticar atividade física regularmente;
Alimentar-se de forma saudável;
Manter o peso corporal adequado;
Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;
Amamentar

Quanto mais cedo descoberto, as chances de cura são maiores e podem chegar a 90%. Converse com outras mulheres e ajude a compartilhar essa informação.

Nova ferramenta no Instagram facilita vendas

O Instagram, liberou nesta terça feira, 20, um novo recuso para que lojas online possam melhorar a oferta de produtos na plataforma.

A já conhecida, função “Comprar” irá permitir as lojas marcarem produtos à venda em fotos, direcionando o usuário diretamente para o e-commerce da loja.

A ferramenta que até então, estava sendo usada como teste apenas nos Estados Unidos chegou não só ao Brasil, mas também a outros sete países, como Austrália, Canadá, França, Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido.

Jim Squires, diretor global do Instagram para negócios disse: “Os usuários do Instagram estão mais abertos a marcas e conteúdo mas, ao mesmo tempo, era difícil para eles descobrirem mais sobre produtos e até comprar”,  “Começamos a trabalhar num novo sistema de compras baseado nisso e estamos testando há seis meses nos Estados Unidos. Agora vamos abrir para todos os interessados.”.

Ao tocar na imagem, os itens que estiverem à venda serão apontados e serão atalhos para mostrar mais detalhes, preços e modelos. Tocando nelas, o usuário é levado para uma área dentro do site das lojas virtuais, em que podem finalizar a compra.

A novidade é incrível e já faz a felicidade de quem tem seu negócio online.

O que acharam? o/